Senado adia votação de projeto das fake news para a próxima 3ª-feira

27 Junho 2020

/>

Alcolumbre deu mais tempo para análise do relatório Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado - 13/05/2020

O presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM-AP), decidiu adiar para a próxima terça-feira (30) a votação do projeto de lei contra fake news. O veredito atende aos senadores que pediram mais tempo para analisar o texto apresentado nesta quinta-feira (25) pelo relator da matéria, o senador Angelo Coronel (PSD-BA).

Segundo Alcolumbre, o projeto será o único item a estar presente na pauta da próxima terça-feira, quando acontece a próxima sessão da Casa. Ele afirma que a decisão tem o objetivo de atender ao apelo de líderes partidários e construir um texto "que possa proteger a vida e a dignidade dos brasileiros".

A decisão se deu em decorrência de diversas manifestações que solicitaram a retirada do item da ordem o dia. Alcolumbre permitiu que 20 senadores discursassem sobre o tema - 10 contrários e 10 favoráveis à proposta. Em seguida, o presidente da Casa acatou o pedido e tirou a matéria de votação.

Leia mais: 'Será histórico', diz Alcolumbre sobre votação de PL das fake news

Coronel apresentou na tarde desta quinta-feira o novo relatório ao texto, desidratado e com 152 emendas de senadores. Para Alcolumbre, todas as manifestações foram favoráveis ao projeto, mas alguns ainda precisavam de mais tempo para avaliar o texto a ser votado.

As principais alterações foram nas definições, com destaque para a inserção de contas, a retirada de dispositivos relacionados às propagandas eleitorais, a identificação de usuários apenas em casos suspeitos, banco de dados de usuários acessados remotamente por autoridades brasileira, sem necessidade de lotação física no Brasil e previsões para acesso de dados de usuários sempre via ordem judicial.

O projeto foi pautado inicialmente para o dia 2 deste mês. No entanto, passou a ser alvo de críticas de entidades, de empresas e de aliados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Nesta quinta, novamente foi criticado por senadores, que analisaram a inserção da matéria ou não na pauta, antes de Alcolumbre retirar o texto da ordem do dia.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree