Bolsonaro sai em defesa de Pazuello em crise com Gilmar Mendes

16 Julho 2020
Jair Bolsonaro e Eduardo Pazuello Joédson Alves/EFE - 09.06.2020

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) saiu em defesa nesta quarta-feira (15) do general Eduardo Pazuello, ministro interino da Saúde, na crise gerada pela afirmação feita por Gilmar Mendes, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal).

“Pazuello é um predestinado, nos momentos difíceis sempre está no lugar certo para melhor servir a sua pátria. O nosso Exército se orgulha desse nobre soldado”, escreveu Bolsonaro nas redes sociais, sem citar o magistrado da Suprema Corte.

Leia mais: Ministério da Defesa aciona PGR contra ministro Gilmar Mendes

O ministro do STF afirmou, no último sábado (11), que não seria razoável o Exército se associar ao genocídio – em referência aos cargos técnicos do Ministério da Saúde ocupados por militares e, por tabela, crítica as políticas adotadas no enfrentamento ao novo coronavírus. Desde que assumiu a pasta, o número de militares chegou a 22.

Bolsonaro contestou a informação. “Quis o destino que o general Pazuello assumisse a interinidade da Saúde em maio último. Com 5.550 servidores no Ministério, o general levou consigo apenas 15 militares para a pasta. Grupo esse que já o acompanhava desde antes das Olímpiadas do Rio”, disse.

Veja também: Defesa rebate ministro do STF, que volta a criticar militares na Saúde

A crítica de Mendes sobre os fardados culminou em uma representação junto a PGR (Procuradoria-Geral da República), protocolada na terça-feira (14) pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e o comandante do Exército, Edson Pujol.

A PGR analisará a representação, do tipo notícia de fato (espécie de apuração preliminar), para dar início à tramitação interna. Após a análise, o órgão decidirá se o caso deve seguir o se vai arquivá-lo.

Confira: Gilmar 'ultrapassou limite' da crítica e 'forçou a barra', diz Mourão

Apesar da representação, o ministro do STF disse respeitar a atuação das Forças Armadas, mas manteve suas críticas. “Em um contexto como esse (de crise aguda no número de mortes por covid-19), a substituição de técnicos por militares nos postos-chave do Ministério da Saúde deixa de ser um apelo à excepcionalidade e extrapola a missão institucional das Forças Armadas”, defendeu.

 

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree