PF usará satélite de alta resolução para conter desmatamento

10 Agosto 2020
Na imagem, 3º Simpósio Nacional de Segurança Reprodução

A PF (Polícia Federal) implementará ainda neste ano o uso de um satélite de alta resolução para conter desmatamento e queimadas em todo o território nacional.

A informação foi dada pelo diretor-geral da PF, Rolando Alexandre de Souza, durante o 3º Simpósio Nacional de Segurança, na noite da última quinta-feira (6).

Leia mais: Após alta no desmatamento na Amazônia, Mourão critica sistema de monitoramento

O uso de satélite de alta resolução faz parte do programa ‘Brasil M.A.I.S. (Meio Ambiente Integrado e Seguro)’, que tem o objetivo de auxiliar Estados no monitoramento de crimes ambientais, como desmatamento ilegal e queimadas, além de ajudar na identificação de aeroportos clandestinos.

De acordo com Souza, as investigações terão acesso a imagens em tempo real de todo o país e também de fotografias regressivas – de dias, meses e até anos anteriores. “Vamos acompanhar o desmatamento em determinada região, locais de garimpo e até corrupção, pois teremos imagens de obras e faremos acompanhamento de via satélite”, disse o diretor-geral.

Veja também: Governo exonera chefe do sistema que monitora desmatamento

Ainda segundo Souza, o Ministério da Justiça e Segurança Pública, comandado por André Mendonça, irá investir cerca de R$ 145 milhões na implementação do projeto. A execução do orçamento das propostas foi aprovada em reunião ocorrida no final de julho pelo Cgfnsp (Conselho Gestor do Fundo Nacional de Segurança Pública).

O simpósio contou com a presença, além de Souza, do delegado Willaim Murad, diretor de tecnologia, e Edvandir Paiva, presidente da ADPF (Associação Nacional dos Delegados da PF).

Mais: Queimada na Amazônia em junho é a maior dos últimos 13 anos

De acordo o vice-presidente da ADPF (Associação Nacional dos Delegados da PF) e organizador do evento, Luciano Leiro, a ideia principal do simpósio é criar um ambiente propício para a divulgação das melhores tecnologias de combate à criminalidade. "Não só na prevenção, mas também na qualidade e na obtenção da prova", disse ao R7 Planalto.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree