Lacalle Pou anuncia volta às aulas presenciais no Uruguai após melhora nos índices do novo coronavírus

22 Mai 2020

Escolas reabrirão progressivamente a partir de 1º de junho. País estabilizou número de casos de Covid-19. Escola rural aberta em San Jose, no Uruguai, em 22 de abril Mariana
Greif/Reuters O presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, anunciou nesta quinta-feira (21) a volta às aulas presenciais nas escolas a partir de 1º de junho. A decisão foi tomada após a estabilização no número de casos do novo coronavírus no país. Em entrevista coletiva, Lacalle Pou disse que a retomada das aulas nas escolas será progressiva, de acordo com o perfil dos alunos ou da localização das cidades. A capital, Montevidéu, só começa a reabrir em 15 de junho. "Estamos dando esse passo porque estamos convencidos de que o risco é mínimo", disse Lacalle Pou, segundo o jornal "El País". Presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, anuncia medidas para frear transmissão do novo coronavírus AFP PHOTO / URUGUAYAN PRESIDENCY/ ALVARO SALAS Haverá, no entanto, algumas regras para evitar a disseminação do novo coronavírus pelas escolas, de acordo com o "El País". Veja abaixo. Jornadas escolares não podem ultrapassar quatro horas diárias Entradas e saídas devem ser escalonadas para não causar aglomerações Recreios e intervalos ocorrerão em turnos diferentes Escolas para crianças pequenas ou alunos especiais terão condições diferenciadas de retorno Férias de julho serão movidas para outra data Caso de sucesso Homem e menina passeiam pela Rambla, o calçadão da orla de Montevidéu Eitan Abramovich/AFP Segundo monitoramento da Universidade Johns Hopkins, o Uruguai tinha até esta quinta 749 casos de Covid-19. A doença matou 20 pessoas no país. É o único país da região que figura entre os 42 no mundo que vêm conseguindo vencer a doença, segundo o portal Endcoronavirus.org, um ranking realizado pelo New England Complex Systems Institute. Lacalle Pou se viu diante do desafio da pandemia e, para não transformá-lo em pesadelo, optou por uma estratégia diferente dos demais vizinhos. Declarou emergência sanitária no país, mas evitou tratar o confinamento como obrigatório. Em vez disso, apelou à responsabilidade dos uruguaios lançando a "Operação Todos em Casa". Traduza-se por isso a recomendação para que cada cidadão limitasse suas saídas e respeitasse o distanciamento social. O governo suspendeu as aulas, fechou fronteiras e proibiu eventos de massa, mas não reprimiu quem precisasse trabalhar fora de casa. “Não está desaconselhado sair, desde que a pessoa mantenha distância de outras e use máscaras”, orientou o presidente. ANÁLISE: Uruguai é oásis da pandemia na América do Sul Initial plugin text
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree