A 4 meses do fim do ano e com desafios da pandemia à frente, MEC só executou 48% do dinheiro que tem para este ano

14 Setembro 2020

Até junho, um projeto para levar internet e computadores a escolas não gastou nada dos R$ 197 milhões que tem à disposição. O Ministério da Educação ainda precisa dar
destino a R$ 26,5 bilhões de seu orçamento de 2020. Faltando 4 meses para o fim do ano, só foram pagos R$ 68,7 bilhões (48%) até agosto dos R$ 142,8 bilhões totais aprovados para a área. Outros R$ 47,6 bilhões estão "prometidos" (empenhados) para serem aplicados, mas ainda aguardam execução. A análise é do Thiago Alves, professor da Universidade Federal de Goiás (UFG) e pesquisador do Laboratório de Dados Educacionais, com dados da Controladoria-Geral da União (CGU). Execução é o jargão nos gastos públicos para designar quando a verba chega oficialmente a estados e municípios – que a aplicam em suas escolas e programas. Com a suspensão das aulas presenciais, o ensino a distância ganhou importância para diminuir os prejuízos ao ano letivo. Mas muitas localidades brasileiras enfrentam internet ruim ou nem mesmo têm acesso. O Programa Educação Conectada, que tem por objetivo levar internet e computadores às escolas, havia gastado, até junho, zero dos R$ 197,4 milhões de seu orçamento, segundo relatório da ONG Todos pela Educação, com base em dados do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi). Outro programa, o EMTI, voltado para fomentar tempo integral em escolas de ensino médio, tem R$ 861 milhões aguardando destinação neste ano. "Isso é uma evidência da ineficiência orçamentária", diz Felipe Poyares, coordenador de relações governamentais da entidade. "A baixa execução deste ano significa que o dinheiro não está indo para as escolas." Acesso limitado à internet e falta de equipamentos dificultam ensino remoto no Brasil. Reprodução/Pixabay Segundo Poyares, o MEC está realizando agora pagamentos de despesas relativas ao ano passado, que no jargão da economia ficou nos "restos a pagar". No entanto, nenhum dinheiro "novo" foi colocado para incrementar os programas em 2020. "A distância entre o anunciado [para este ano] e o executado evidencia uma não priorização da Educação na execução do orçamento do governo federal", analisa Thiago Alves. Outro ponto que dificulta a execução orçamentária é a constante troca de ministros da Educação. Em um ano e meio de mandato do presidente Jair Bolsonaro, já foram quatro os ministros. Milton Ribeiro é o atual gestor da pasta e tomou posse em 16 de julho. Antes dele, passaram: Carlos Alberto Decotelli, que caiu antes de tomar posse, por inconsistências no currículo; Abraham Weintraub, que permaneceu no cargo por 14 meses e pediu demissão (ele é investigado por disseminar informações falsas e por ameaçar ministros do Supremo Tribunal Federal) Ricardo Vélez Rodríguez, derrubado após pouco mais de três meses A retomada das aulas presenciais nas escolas também precisará envolver os novos padrões de higiene exigidos pela pandemia do coronavírus e consequentemente gastos com álcool em gel, produtos desinfetantes, compra de máscaras etc. Questionado sobre as ações na pandemia, o Ministério da Educação afirmou que " não houve por parte da Secretaria de Educação Básica (SEB) uma ação específica para repasse de recursos para atender a necessidade de suspensão das aulas presenciais", mas confirma os repasses para os programas Educação Conectada e Novo Ensino Médio continuam ocorrendo, sem especificar que se tratam de recursos de 2019. 2021: orçamento Após previsão de corte de R$ 4,2 bilhões em 2021 como parte de um esforço fiscal, o projeto de Lei Orçamentária (PLOA) do governo federal enviado ao Congresso na última segunda (31) incluiu um aumento de R$ 2 bilhões no orçamento do MEC. Com a correção pela inflação, na prática isso significa estabilidade se comparado a este ano. De R$ 142,8 bilhões em 2020, o Ministério da Educação terá R$ 144,5 bilhões em 2021 – o valor pode ser alterado quando passar no Congresso. Com isso, os gastos com Educação ficariam superiores aos de Defesa. A diferença de R$ 5,8 bilhões nos orçamentos dos dois ministérios havia sido alvo de críticas quando uma previsão inicial foi divulgada em meados de agosto. Caso o Congresso aprove a proposta do governo de repasses para a educação, os recursos estarão praticamente estagnados em relação ao que foi aprovado no ano passado. Especialistas e educadores veem com preocupação a ausência de um reforço no orçamento com o provável aumento de gastos nas escolas públicas devido à pandemia. Desconsiderando este ano, o valor proposto para a educação será o menor desde 2014. Se comparado a 2019, a queda é de 15%. "A lógica é que haja, ano a ano, um aumento do orçamento porque as despesas também crescem. Salários vão sendo repostos, há serviços pagos com correção da inflação. Trabalhar com orçamento estabilizado significa ter o mesmo dinheiro para mais despesas", afirma Thiago Alves, da Federal de Goiás. Orçamento aprovado e executado pelo Ministério da Educação, de 2014 a 2019. Dados de 2020 se referem à execução até agosto. Dado de 2021 é a proposta do governo federal para a área, que poderá sofrer alteração no Congresso. Infografia/G1 Queda na arrecadação dos tributos Um orçamento praticamente estagnado para o MEC em 2021 irá se sobrepor à queda na arrecadação dos tributos que são destinados à educação nas redes municipais e estaduais. Com a desaceleração da economia devido à pandemia (o PIB teve queda recorde de 9,7% no segundo trimestre deste ano), o recolhimento de impostos também ficou menor. As escolas das redes municipais de ensino poderão ter perdas entre R$ 15 bilhões e R$ 31 bilhões. Nas redes estaduais, poderá haver impacto de R$ 27,7 bilhões. As projeções são do Todos pela Educação e do Instituto Unibanco. Segundo a análise, o ensino poderá entrar em "colapso". Governo envia proposta de orçamento para 2021 ao Congresso
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree