Juíza britânica rejeita pedido de liberdade condicional para Assange

25 Março 2020
Juíza Vanessa Baraitser acredita que Assange não seja preso vulnerável Simon Dawson / Reuters - arquivo

A juíza Vanessa Baraitser, da corte de magistrados de Westminster, no Reino Unido, rejeitou nesta quarta-feira (25) o pedido de liberdade condicional para o ativista Julian Assange, que está preso em uma penitenciária de Londres.

A defesa do australiano solicitou que, diante do estado frágil de saúde do cliente, existe risco de morte em caso de infecção pelo novo coronavírus no presídio de Belmarsh.

O pedido da libertação acontece no meio da segunda fase do julgamento do pedido de extradição feito pelos Estados Unidos, que está marcado para acontecer em maio, e foi feito após o governo britânico indicar a possibilidade de soltar presos de baixa periculosidade, para reduzir o contágio em locais de detenção.

Na decisão sobre Assange, a juíza afirmou não existir razão para duvidar da eficácia das medidas adotadas pelo presídio de Belmarsh para combater a propagação do coronavírus, e que o ativista não é o único preso vulnerável.

O promotor Clair Dobbin, em representação feita pela justiça dos EUA, havia argumentado que existia risco de fuga, por isso, não seria indicado aceitar o pedido de libertação de Assange.

Assange, teve prisão decretada em 2010 no Reino Unido a pedido da Suécia, sob a acusação de crime sexual - que já está arquivado -. Ele passou os últimos dez anos confinado, primeiro em prisão domiciliar e depois na embaixada do Equador em Londres, até o governo sul-americano retirar o status dele de refugiado, em 2019.


Em breve novidade aqui!!!

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree