Protestos no México após morte de homem preso por não usar máscara

05 Junho 2020

A cidade de Guadalajara, no México, foi sacudida nesta quinta-feira (4) por fortes protestos nas ruas após um homem morrer sob custódia da polícia após ser preso por não usar máscara de

proteção contra o novo coronavírus

O pedreiro Giovanni Lopez foi detido na cidade deIxtlahuacan de los Membrillos, no estado de Jalisco, vizinha à capital Guadalajara, em 4 de maio

O caso veio à tona com a disseminação de um vídeo, gravado pelo próprio irmão de Giovanni, mostrando o momento de sua prisão e gerou indignação em todo o país. Os protestos da quinta-feira ocorream na região próximo ao Palácio de Governo do Estado de Jalisco, que chegou a sofrer uma tentativa de invasão

Segundo Cristian López, irmão de Giovanni, ele foi cercado por 10 policiais na rua de sua casa, espancado e levado por uma viatura. Em contato com a prefeitura, a família recebeu a orientação de ir buscá-lo na delegacia no dia seguinte. Ao chegar lá, receberam a notícia de o pedreiro tinha morrido em um hospital

No vídeo, é possível ver o irmão de Giovanni perguntar aos policiais 'Por que o tratam assim? Comandante, você manda, peça pra pararem'

O corpo de Giovanni tinha sinais de espancamento e tortura, além de uma bala na perna. Durante os protestos, os manifestantes acusavam o governador de Jalisco, Enrique Alfaro, de ser culpado pela morte

O governador Alfaro publicou vídeo dizendo que a culpa da morte de Giovanni López é do presidente, Andrés Manuel López Obrador, que estabeleceu as medidas de restrição contra a disseminação do coronavírus

Na mesma quinta-feira (4) dos protestos em Guadalajara, o México registrou o recorde de novos casos de covid-19. O país não estabeleceu medidas duras de isolamento e se tornou um dos países com mais casos nas Américas

Nesta sexta-feira (5), a Promotoria do Estado de Jalisco anunciou a prisão de três policiais relacionados com a morte de Giovanni

De acordo com a Agência EFE, ao menos 20 pessoas foram presas durante as manifestações da quinta-feira (4)

Os manifestantes também pixaram diversos prédios no centro administrativo de Guadalajara e usaram extintores de incêndio

Carros foram incendiados durante as manifestações, que também teriam sido insufladas pela onda de protestos contra o racismo e a violência policial que tomou dos EUA e de vários países após a morte de George Floyd

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree