Irmãs que mataram pai abusador vão a julgamento na Rússia

30 Julho 2020
Uma das irmãs, Maria Khachaturyan, deixa tribunal em Moscou Maxim Shemetov/ Reuters/ 28.07.2020

As irmãs Krestina, Angelina e Maria Khachaturyan começam a ser julgadas nesta sexta-feira (31), na Rússia. O caso é polêmico porque apesar das três serem acusadas de homicídio premeditado por matar o pai a facadas, em depoimento, elas alegaram legítima defesa e relataram anos de violência e abuso por parte do pai. O problema é que o país não possui uma lei sobre violência doméstica.

No dia 27 de julho de 2018, após aplicar um spray de pimenta nas três irmãs por não terem arrumado o apartamento, elas decidiram matar o pai. Quando Mikhail dormiu, elas o atacaram com uma faca, um martelo e o mesmo spray que ele tinha usado para castiga-las. Após o ato, elas chamaram a polícia e uma ambulância.

Krestina, na época com 19 anos, Angelina, de 18, e Maria, ainda menor, aos 17 anos foram presas no dia seguinte. Elas confessaram o crime, mas também contaram viver há anos sob abusos físicos e psicológicos pelo pai, além de abusos sexuais. Como Maria era menor de idade, será julgada separadamente.

A prisão das jovens gerou grande repercussão na Rússia, já que uma lei de 2017 descriminalizou os delitos de abuso doméstico pela primeira vez, e deixou desaparadas as vítimas deste tipo de violência intrafamiliar.

O caso ganhou grande repercussão e mobilizou grupos de direitos humanos. Em janeiro, os promotres chegaram a retirar as acusações contra as irmãs, que respondem em liberdade, mas com restrições de horário e locomoção. 

Mas em maio deste ano o mesmo promotor que havia mudado a acusação para legítima defesa, manteve a acusações de homicídio premeditado contra Krestina e Angelina, o que poderia gerar uma pena de até 20 anos de prisão. 

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree