Acusado de terrorismo, herói de 'Hotel Ruanda' comparece a tribunal

14 Setembro 2020
Paul Rusesabagina pediu liberdade condicional para manter tratamento de saúde Clement Uwiringiyimana / Reuters - 31.8.2020

Um tribunal de Kigali manteve em prisão preventiva, nesta segunda-feira (14), o empresário ruandês Paul Rusesabagina, que inspirou o filme "Hotel Ruanda" e salvou mais de 1,2 mil pessoas durante o genocídio contra os tutsis, em 1994, após ser acusado de 13 crimes, vários deles relacionados ao terrorismo.

Numa audiência preliminar, o Tribunal de Kicukiro, em Kigali, também adiou até o próximo dia 17 sua decisão sobre a liberdade condicional solicitada pela defesa de Rusesabagina por motivos de saúde e que hoje apareceu pela primeira vez em público após sua prisão, no dia 31 de agosto.

Rusesabagina, de 66 anos, foi detido no Aeroporto Internacional de Kigali, embora a família e seus advogados garantem que ele foi "raptado, desaparecido e submetido a uma rendição extraordinária de Dubai para Ruanda".

As autoridades ruandesas sustentam que sua prisão foi legal, mas não forneceu mais detalhes e ninguém explicou o que exatamente aconteceu entre o dia 27 de agosto, quando o acusado conversou com sua família após chegar a Dubai (Emirados Árabes Unidos), e 31 de agosto, quando foi apresentado aos meios de comunicação em Kigali.

Ele é acusado de 13 crimes, incluindo fundar e pertencer a um grupo armado, terrorismo, participação em terrorismo com fins políticos, conspiração e cumplicidade em crimes de homicídio, sequestro e roubo.

Protegido com máscara, Rusesabagina, que tem nacionalidade belga e reside nos Estados Unidos, decidiu não se declarar culpado ou inocente das acusações contra si, já que, como afirmou, prefere responder individualmente a cada uma delas no julgamento, uma vez que em algumas delas estaria disposto a declarar parte de sua culpa.

Por exemplo, Rusesabagina admitiu ter dado dinheiro à milícia das Forças de Libertação Nacional (FLN), como acusa o Ministério Público e de que afirma ter provas, mas esclareceu que não pretendia que o grupo matasse pessoas.

"Respondi aos crimes da FLN cometidos no território de Ruanda. Essa não é a missão que lhes havíamos confiado. Peço desculpas por isso", alegou o réu.

Genocídio em Ruanda

Rusesabagina, que era o gerente do hotel mais famoso de Ruanda, que abrigou mais de mil tutsis e hutus moderados durante o genocídio para salvá-los dos hutus extremistas, tinha um mandado de prisão internacional, acusado de crimes como assassinato e sequestro de civis ruandeses.

Os dois advogados de defesa de Rusesabagina argumentaram hoje que o tribunal não tem jurisdição para julgar o réu, visto que é um cidadão belga, o que foi indeferido.

A defesa também pediu liberdade condicional para seu cliente, mas o tribunal optou por se pronunciar sobre a questão somente na próxima quinta-feira.

"Como meus advogados disseram, estou doente. Nas últimas duas semanas, estive no hospital três vezes. Exijo que me seja concedida uma fiança. Não vou fugir da Justiça", disse o próprio Rusesabagina, cuja filha, Carine Kanimba, disse à Agência Efe que a família não foi avisada da audiência de hoje.

"Não fomos informados sobre este comparecimento ao tribunal. Ficamos imaginando que tipo de Justiça haverá se eles nem mesmo informaram a família", disse Kanimba.

A Anistia Internacional (AI) pediu hoje um julgamento justo e denunciou "a falta de transparência em torno da prisão" de Rusesabagina, bem como "relatos de que lhe foi negado o acesso a um advogado contratado por sua família".

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree