Putin expressa apoio a reforma constitucional de Belarus

14 Setembro 2020
Putin e Lukashenko tiveram reunião na cidade russa de Sochi EFE/EPA/KREMLIN

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, expressou nesta segunda-feira (14) ao mandatário de Belarus, Alexandr Lukashenko, apoio à reforma constitucional como forma de resolver a crise na antiga república soviética, e repudiou qualquer interferência externa.

"Estamos cientes da proposta de começar a trabalhar na Constituição. Penso que é lógico, oportuno e conveniente", disse Putin no início da reunião entre ambos na residência presidencial em Sochi.

Na primeira reunião entre os dois líderes desde o início dos protestos anti-governo em Belarus, Putin frisou que cabe aos bielorussos resolverem sozinhos a crise que surgiu depois das eleições presidenciais de 9 de agosto.

"Somos a favor dos próprios bielorussos, sem sugestões e pressões do exterior, resolvendo esta situação e chegando a uma solução comum", argumentou o mandatário russo.

Leia também: Protesto contra Lukashenko reúne pelo menos 100 mil em Belarus

Putin, que anunciou a criação de uma força policial conjunta para intervir em Belarus em caso de necessidade, destacou que Moscou cumprirá as obrigações no âmbito da União da Rússia e Belarus e da Organização do Tratado de Segurança Coletiva.

Segundo Putin, a Rússia vê Belarus como um aliado muito próximo, motivo pelo qual concordou com Minsk em conceder um crédito no valor de US$ 1,5 bilhões. Lukashenko agradeceu a Putin e ao povo russo pelo apoio em um momento em que protestos em massa ocorrem em diversas cidades do país.

"[Putin] agiu de forma muito decente. Os amigos são vistos em tempos de dificuldade", comentou o governante bielorrusso.

Lukashenko, que criticou a Rússia por tentar desestabilizar a situação em Belarus durante toda a campanha eleitoral, disse que aprendeu a "lição".

Além disso, denunciou que os Estados Unidos mobilizaram tropas a 15 km da fronteira bielorrussa, o que obrigou Minsk a posicionar o Exército na região de Grodno, que faz fronteira com Lituânia e Polônia.

Por isso, disse considerar necessário que Moscou e Minsk se preparem para "contra-atacar" em caso de agressão externa.

Putin explicou que as tropas russas, que serão mobilizadas a partir desta segunda-feira em Belarus para as manobras anti-terroristas "Fraternidade Eslava", voltarão às suas bases quando os exercícios terminarem.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree