Imprimir esta página
Sábado, 19 Setembro 2020 00:50

Mercado é processado ao demitir funcionárias que não usaram aventais pró LGBT

Avalie este item
(0 votos)
Rede varejista foi processada após demitir duas funcionárias Oleg Magni/Pexels

Uma grande rede de supermercados está enfrentando um processo após despedir dois funcionários que se recusaram a usar um emblema do arco-íris em seu uniforme de trabalho, porque viola suas crenças religiosas. A informação é do The Christian Post.

A Equal Employment Opportunity Commission (Comissão de Oportunidades Iguais de Emprego) abriu um processo contra a Kroger Company contra demissão de dois funcionários, em uma loja do Arkansas.

De acordo com o jornal, os funcionários foram demitidos depois de se recusarem a cumprir o novo código de vestimenta, que exigia que eles usassem um avental com um emblema de coração na cor do arco-íris.

As mulheres argumentaram que usar o avental significaria um endosso do movimento LGBTQ, o que contradiz suas crenças religiosas. De acordo com a Comissão, “uma mulher se ofereceu para usar o avental com o emblema coberto e a outra ofereceu para usar um avental diferente sem o emblema, mas a empresa não fez qualquer tentativa para atender aos seus pedidos”.

A entidade alegou que, quando as mulheres continuaram a se recusar a usar o avental com o emblema visível, “Kroger retaliou elas disciplinando e, por fim, dispensando-as”.

As ações de Kroger violaram o Título VII da Lei dos Direitos Civis de 1964, argumentou a entidade, que está trabalhando para garantir "alívio monetário na forma de pagamento atrasado e danos compensatórios para as duas mulheres", bem como uma injunção contra discriminação futura.

"As empresas têm a obrigação de acordo com o Título VII de considerar os pedidos de acomodações religiosas e é ilegal demitir funcionários por solicitarem uma acomodação por suas crenças religiosas”, disse Delner-Franklin Thomas, diretor distrital do escritório da EEOC em Memphis, que tem jurisdição sobre o caso. “A EEOC protege os direitos da comunidade LGBTQ, mas também protege os direitos das pessoas religiosas.”

Histórico do caso

A reclamação da EEOC chega mais de um ano depois que as duas mulheres foram demitidas da rede de supermercados. De acordo com o Arkansas Democrat-Gazette, uma das mulheres, Brenda Lawson, trabalhou no departamento de delicatessen da loja de 2011 até sua rescisão em 1º de junho de 2019. A outra mulher, Trudy Rickerd, trabalhava como caixa e escriturária de manutenção de arquivos de 2006 até sua rescisão em 29 de maio de 2019.

A denúncia citou uma carta escrita por Rickerd explicando sua objeção em usar o avental. “Tenho uma crença religiosa sincera de que não posso usar um símbolo que promova ou endosse algo que viole minha fé religiosa ... Fico feliz em comprar outro avental para garantir que Kroger não enfrente dificuldades financeiras”, disse ela.

Esta não é a primeira vez que a Kroger se vê sujeita a uma ação judicial da EEOC. No ano passado, Kroger teve que pagar US $ 40.000 (R$ 200 mil aproximadamente) para resolver um processo de discriminação por deficiência que foi aberto depois de demitir um novo funcionário com deficiência visual que solicitou acomodação para uma parte da orientação do novo funcionário.

O Christian Post entrou em contato com Kroger para comentar. Um representante da rede de supermercados disse: “Não podemos comentar sobre litígios pendentes”.

A Kroger não é a única rede de supermercados a enfrentar escrutínio sobre sua política de código de vestimenta. Duas semanas atrás, o ex-funcionário do Food Lion e veterano da Força Aérea Gary Dean detalhou como ele deixou a empresa porque foi informado que ele não poderia usar uma máscara com a bandeira americana no trabalho.

Depois que milhares de americanos viram a postagem de Dean no Facebook, o Food Lion contatou Dean e disse a ele que estava mudando sua política de máscara para permitir que os funcionários usassem máscaras da bandeira americana.

Ler 40 vezes