Eleições na Espanha: o que acontece após vitória sem maioria de socialistas e ascensão da ultradireita

14 Novembro 2019
Direito de imagemGetty Images
Image caption Sánchez voltou a ganhar as eleições, mas sem maioria

Um Congresso fragmentado, incapaz de desfazer o bloqueio político sofrido pela Espanha.

definição mais aproximada do resultado das eleições gerais ocorridas no país neste domingo, 10 de novembro.

O vencedor foi o Partido Socialista dos Trabalhadores da Espanha (PSOE), que não obteve maioria suficiente para governar sozinho.

Segundo resultados oficiais, os socialistas conquistaram 120 cadeiras, três a menos do que as eleições de abril passado.

O pleito, o quarto realizado desde dezembro de 2015, resultou em um Congresso ainda mais fragmentado, no qual nem os partidos de esquerda nem de direita têm maioria.

No entanto, houve desdobramentos importantes: a extrema-direita tornou-se a terceira força mais votada do país, conquistando 52 cadeiras, um número que excede em muito os 24 deputados que tinham conseguido em abril, quando, pela primeira vez, obteve representação no Congresso.

O Partido Popular conservador também registrou uma recuperação notável, passando de 66 parlamentares para 88.

O maior revés foi registrado pelo partido de centro-direita Ciudadanos, que viu sua representação reduzida de 57 deputados para apenas 10.

O partido da Esquerda Unida também pode sofrer uma queda, embora menor, de 42 legisladores para 35.

A convocação para essas eleições tornou-se inevitável após o PSOE não ter conseguido apoio suficiente de outras forças do Congresso para formar um governo de coalizão encabeçado por seu secretário-geral, Pedro Sánchez, em um parlamento de 350 membros.

Os resultados deste domingo não deixam claro que isso será possível agora.

Direito de imagemGetty Images
Image caption Partido Ciudadanos foi o maior derrotado de eleições na Espanha

O desafio da governabilidade

As novas eleições ocorreram depois que Sánchez, apesar de ter vencido as eleições em abril passado, não conseguiu ser empossado como presidente do governo.

O sistema parlamentar espanhol determina que a posse seja realizada ou com o apoio de uma maioria absoluta na primeira votação (176 deputados) ou com uma maioria simples na segunda votação (com mais votos a favor do que contra).

Sánchez não conseguiu nenhuma das duas.

Essa situação resultou em um bloqueio político que obrigou a convocar novas eleições.

Neste domingo, em seu discurso após a vitória eleitoral, Sanchez exortou todos os partidos a "agir generosa e responsavelmente para destravar a situação política na Espanha" e prometeu que a partir do PSOE ele assumirá a mesma atitude.

"Nosso projeto político é formar um governo estável e fazer política para o benefício da maioria", afirmou.

"Meu compromisso é que desta vez, de qualquer jeito, vamos conseguir formar um governo progressista e é por isso que vamos destravar a situação política neste país", acrescentou Sánchez, que disse estar pedindo um esforço conjunto "a todos os partidos políticos, exceto àqueles que se excluem da coexistência e semeiam o discurso do ódio e da antidemocracia ".

As opções, no entanto, não são totalmente claras.

"Esses resultados dificultam a solução da crise. O Parlamento está mais fragmentado, nenhum dos blocos possui maioria suficiente para governar, as relações entre o governo e os partidos me parecem mais difíceis; e a cooperação, portanto, se torna ainda mais improvável", explica Joan Botella, professora de Ciência Política da Universidade Autônoma de Barcelona, em entrevista à BBC Mundo, o serviço de notícias em espanhol da BBC.

"Na Espanha, nunca tivemos coalizões governamentais, porque os partidos não têm confiança mútua e cada vez que se percebe que isso é indispensável, fica mais difícil", alerta.

Direito de imagemGetty Images
Image caption Partido Popular conseguiu recuperar 20 cadeiras, mas agora enfrenta competição do Vox como porta-voz da direita
Direito de imagemGetty Images
Image caption Após eleições de abril, tentativas de chegar a um acordo governamental entre Pedro Sánchez e Pablo Iglesias, líder do Podemos, não foram bem-sucedidas

O surgimento do Vox

O impressionante aumento no número de cadeiras obtidas pelo Vox foi considerado o fenômeno eleitoral da época e, segundo especialistas, terá um impacto significativo nas opções de formação do governo.

O ultra-direitista Vox passou de 24 para 52 deputados.

Bottle atribui esse crescimento aos efeitos da crise vivenciada na Catalunha com a radicalização dos protestos de grupos de independentistas.

"A crise na Catalunha, mesmo com imagens violentas, chocou bastante a opinião pública espanhola e tendeu a reforçar as partes que fizeram a oferta de contenção mais enérgica dos separatistas. Não tenho dúvidas de que esse tenha sido o fator chave para o crescimento da Vox ", diz ele.

Antonio Elorza, professor emérito de Ciência Política da Universidade Complutense de Madri, diz acreditar que, além da situação na Catalunha, existem outros fatores que ajudaram o crescimento desse partido de extrema direita.

Direito de imagemGetty Images
Image caption Pedro Sánchez é líder do Partido Socialista dos Trabalhadores da Espanha (PSOE)

"O Vox responde a algo que estava lá: racismo latente, islamofobia latente, anti-catalanismo, oposição radical à autonomia", diz ele.

"Eles têm uma concepção neo-franquista profunda que se conecta com uma parte da sociedade e que é útil em um momento de possibilidade de crise econômica e, especialmente, com uma crise do Estado, de aparência irresolúvel, como é a da Catalunha", acrescenta.

Bottle afirma que o Vox afetará as alternativas de formar um governo, limitando o espaço de manobra do PP, o partido de direita convencional.

Com os resultados obtidos, uma das opções seria criar uma "grande coalizão" entre o PSOE e o PP. Seria algo inédito na Espanha, mas que já aconteceu em outros países da Europa.

Outra possibilidade seria que o PP se abstivesse das votações de posse para permitir a Sánchez formar um governo minoritário.

Bottle acredita que essas opções se tornaram "praticamente impossíveis", porque agora qualquer coisa que o PP faça será severamente criticada pelo Vox, que disputa parte de seu próprio eleitorado.

Direito de imagemGetty Images
Image caption Com 13 deputados, independentistas de Esquerra Republicana poderiam teoricamente ajudar a formar uma coalizão de esquerda, mas seu distanciamento do PSOE a torna inviável

Esquerda que não soma

A outra possibilidade de formação do governo que os resultados eleitorais poderiam teoricamente permitir seria a de uma coalizão entre o PSOE e Podemos, com o apoio de outros partidos minoritários.

Mas essa é uma opção que, segundo Elorza, foi considerada em julho, e agora parece difícil, porque não seria capaz de somar uma maioria absoluta e exigiria a abstenção dos independentistas catalães da Esquerra Republicana, que conquistaram 13 cadeiras.

"Com 170 votos, o governo fará uma segunda votação se a Esquerra se abstiver, mas isso não está na mesa agora. Agora a Esquerra não apoia ninguém porque está em guerra com o governo. O slogan deles agora é lutar contra o PSOE", diz.

Direito de imagemGetty Images
Image caption Ultradireitista Vox passou de 24 a 52 deputados

A Esquerra Republicana endureceu ainda mais sua posição após a decisão do Supremo Tribunal de Justiça, proferida em outubro passado, que impôs sentenças entre 9 e 13 anos de prisão a nove políticos independentistas condenados por sedição, incluindo Oriol Junqueras, líder político desse partido.

Como se isso não bastasse, Bottle destaca que a Espanha está em um cenário político multipartidário, mas com líderes muito jovens que não estão acostumados a negociar para chegar a acordos com outros partidos políticos.

"Por enquanto, nós, espanhóis, devemos nos acostumar com um sistema partidário muito complexo, com sete, oito ou nove grandes forças políticas e sem maioria", diz ele.

"Esperamos que isso seja superado no futuro, mas primeiro teremos que passar pela triste experiência de ineficiência do governo", acrescenta ele, que alerta sobre o risco de a Espanha poder convocar outras eleições em breve.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no ? Inscreva-se no nosso canal!

Alerta: Conteúdo de terceiros pode conter publicidade

Final de YouTube post de BBC News Brasil

Alerta: Conteúdo de terceiros pode conter publicidade

Final de YouTube post 2 de BBC News Brasil

Alerta: Conteúdo de terceiros pode conter publicidade

Final de YouTube post 3 de BBC News Brasil


Em breve novidade aqui!!!

K2_LEAVE_YOUR_COMMENT

Outras Categorias

Quem Somos

Usuário(s) Online

Temos 575 visitantes e Nenhum membro online
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree