Evo Morales desembarca no México, onde terá asilo político, e diz que 'segue na política'

14 Novembro 2019
Direito de imagemEPA
Image caption Evo Morales ao desembarcar no México; ele agradeceu o governo do país por ter lhe 'salvado a vida'

Dois dias depois de renunciar à Presidência da Bolívia,

Evo Morales chegou nesta terça-feira (12/11) à tarde ao México, país que lhe concedeu asilo político.

A chegada foi anunciada pelo chanceler mexicano, Marcelo Ebrard, e o ex-presidente boliviano discursou logo ao desembarcar no aeroporto.

"Enquanto houver vida, seguiremos na política", afirmou, dizendo ter sido vítima de um "golpe". "Segue a luta, e estamos certos de que os povos do mundo inteiro têm todo o direito de libertar-se. Não há delito ou pecado maior que é sermos anti-imperialistas ideologicamente, e que o mundo inteiro saiba que não é pelo golpe que vou mudar ideologicamente; não é pelo golpe que vou mudar (o fato de) haver trabalhado com os setores mais humildes".

Ele também agradeceu o presidente do México, Andrés Manuel Lopes Obrador, por ter "me salvado a vida", em referência à concessão de asilo e à cessão de um avião para a viagem.

Evo llegó sano y salvo a México

— Marcelo Ebrard C. (@m_ebrard)

Final de Twitter post de @m_ebrard

Morales, que governava a Bolívia desde 2006 e deixou o comando do país no domingo, em meio a protestos popularese pressões das Forças Armadas, partira ao México na segunda-feira.

"Dói-me abandonar o país (a Bolívia) por razões políticas, mas estarei sempre por perto. Logo voltarei com mais força e energia", anunciou na noite de segunda-feira pelo Twitter.

Hermanas y hermanos, parto rumbo a México, agradecido por el desprendimiento del gobierno de ese pueblo hermano que nos brindó asilo para cuidar nuestra vida. Me duele abandonar el país por razones políticas, pero siempre estaré pendiente. Pronto volveré con más fuerza y energía.

— Evo Morales Ayma (@evoespueblo)

Final de Twitter post de @evoespueblo

Mais cedo, o chanceler mexicano, Marcelo Ebrad, justificou a concessão do asilo mencionando "razões humanitárias e em virtude da situação de urgência que a Bolívia enfrenta", onda a "vida e integridade" de Morales correriam risco.

O boliviano renunciou à Presidência logo após as Forças Armadas "sugerirem" que ele deixasse o cargo para pacificar o país, o que correligionários e apoiadores classificam como um "golpe de Estado". Já críticos de seu governo acusam Morales de ter fraudado as eleições presidenciais de 20 de outubro — cujos resultados apontando a vitória dele em primeiro turno, para um quarto mandato, foram o estopim da crise atual — e de ter contrariado a Constituição e a vontade popular para permanecer no poder.

Uma auditoria da Organização dos Estados Americanos (OEA) apontou indícios de fraude na apuração do processo eleitoral e sugeriu a realização de um novo pleito.

Na carta em que formalmente, Morales afirmou que vai "resistir". "Que fique para a história nosso compromisso em defender nossas conquistas alcançadas a sangue e fogo", declarou.

Além de Evo, deixaram os cargos o vice-presidente, Álvaro Garcia; a presidente do Senado, Adriana Salvatierra; o vice-presidente do Senado, Rubén Medinacelli; e o presidente da Câmara dos Deputados, Víctor Borda. Com as renúncias, ficaram vagos todos os cargos que estão na linha de sucessão à Presidência — o que traz uma série de para o comando do país, desde a convocação do Congresso para a escolha de novos presidentes das casas legislativas a novas eleições gerais.

Direito de imagemReuters
Image caption Há três semanas, a Bolívia se transformou em um grande campo de batalha entre apoiadores e opositores de Morales

Com greves e paralisações em todo o país, a Bolívia se transformou em um grande campo de batalha entre apoiadores de Morales e seus opositores. Centenas de pessoas ficaram feridas, ao menos quatro pessoas morreram e outras centenas foram detidas em enfrentamentos com a polícia.

Em cidades como El Alto e La Paz, houve relatos ainda de destruição e saques, além de marchas e barricadas com manifestantes gritando "guerra civil".

Já assistiu aos nossos novos vídeos no ? Inscreva-se no nosso canal!


Em breve novidade aqui!!!

K2_LEAVE_YOUR_COMMENT

Usuário(s) Online

Temos 825 visitantes e Nenhum membro online
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree