Batalhão de Choque contém torcida revoltada e evita tragédia em jogo do Santos

14 Novembro 2019
K2_ITEM_AUTHOR 

iG São Paulo

PM criticou ação do técnico e jogadores do Santos que tentaram proteger os torcedores que invadiram o gramado durante a partida nesta terça-feira (28)

Policiais altamente treinados para evitar distúrbios em

grandes aglomerações de pessoas. O trabalho dos PMs do Batalhão de Choque é complicado, mas desenvolvido com excelência por esses atletas de farda. Nessa terça-feira (28), a ação foi rápida e evitou uma tragédia dentro do Estádio do Pacaembu, um dos símbolos da capital de São Paulo.

Leia também: Comandos e Operações Especiais - Conheça a tropa de elite da Polícia Militar/SP

Batalhão de Choque evitou a invasão do gramado durante o jogo do Santos pela Libertadores

Foto: Reprodução/ TV

Mesmo antes da partida entre Santos e Independiente (ARG) começar, o cenário já era tenso. O time da baixada havia sido punido pela Conmebol e torcida e jogadores estavam inquietos com a situação. Em um planejamento prévio, o Batalhão de Choque desenha todas as possibilidades e aumentou seu efetivo para esse duelo para dar segurança aos torcedores.

"A gente faz um reunião preparatória antes de qualquer evento. Chamamos todos os envolvidos e avaliamos tudo o que pode ocorrer. Como sabíamos dessa notícia da punição do Santos, nós colocamos 210 homens para garantir a segurança. Eram PMs do Segundo Batalhão de Choque, ROCAM e da Cavalaria. Reforçamos o nosso pessoal para evitar conflitos", afirma o Major Ricardo Xavier.

Leia também: ROTA dá recado duro: Em São Paulo o crime organizado sempre vai perder

Com todo o plano desenhado pela PM, as coisas funcionaram dentro da normalidade até aos 35 minutos do segundo tempo de jogo. Porém, o Santos estava sendo eliminado e a torcida ficou inflamada contra as confusões da organização da Copa Libertadores.

"Um grupo de torcedores que estava na Praça Charles Miller tentou invadir o estádio, mas o nosso efetivo do Segundo de Choque com o veículo blindado lançador de água e Cavalaria que estava do lado de fora conseguiu evitar a invasão. Ao mesmo tempo, a organizada que estava na arquibancada começou a jogar objetos, sinalizadores e bombas dentro do gramado. Os torcedores começaram a descer para invadir o campo de jogo", conta o Major.

A tentativa de invasão do gramado foi o ponto mais crítico. "Um grupo de mais de 50 torcedores queria forçar o portão para invadir e sete PMs fizeram a contenção inicial, na sequência chegou o apoio. Nossa planejamento foi eficiente, a mobilidade foi muito rápida e conseguiu impedir uma invasão generalizada, onde poderia acontecer uma tragédia", continua o Major.

Torcedores do Santos quebraram mais de 60 cadeiras durante confronto com o Batalhão de Choque

Torcedores do Santos quebraram mais de 60 cadeiras durante confronto com o Batalhão de Choque

Foto: Reprodução

Em pontos isolados, o Policial afirma que quatro pessoas conseguiram pular para o gramado. "Os Policiais que ficam dentro do campo são altamente treinados, verdadeiros atletas e muito rápidos. Eles ficam de chuteira e agasalho e conseguem dominar os invasores fazendo uso de técnicas de artes marciais que garantem a segurança de todos, tanto do PM quanto do invasor", afirma o Major Ricardo Xavier.

Leia também: Chefe do tráfico em São Paulo acorda com 'visita surpresa' do Canil da PM

Se por um lado a ação da PM foi pontual e assertiva, técnico e jogadores do Santos agiram de maneira espantosa e até mesmo perigosa. "Em situações como essas, os nossos homens não podem recuar e foi isso que fizemos. Mas do lado dos santistas, o treinador e os atletas tentavam liberar um dos detidos. Eles possuem uma influência muito grande com a torcida e essa ação de soltar o invasor pode inflamar ainda mais os ânimos e causar uma coisa que fique sem controle. Foi complicado até porque o Cuca avançou contra um dos nossos Policiais agarrando pelo pescoço, um Policial que tinah detido um invasor, mas que naquele momento estava sozinho", diz o Major Ricardo Xavier.

O Policial garante que durante as reuniões preparatórias, esse tipo de conduta é condenada e que existe o pedido para que as delegações dos times evitem essa atitude que pode exaltar a multidão. O técnico do Santos diz que queria proteger o torcedor, mas o Policial usa apenas a força necessária, sem apresentar riscos para o invasor.

Diante do cenário, o árbitro resolveu encerrar a partida antes do final. O resultado acabou sendo 0 x 0 e Santos eliminado. Na arquibancada foram 4 detidos por invasão e outro detido durante a entrada para o duelo por desacato.

Leia também: Policial feminina da Cavalaria da PM olha na cara de criminosos e eles tremem

De acordo com o Major, muitas pessoas perguntam sobre como as bombas e sinalizadores entram nos estádios e ele esclarece: "A nossa revista é de prevenção. Não podemos fazer uma busca minuciosa, pedir para que tirem o tênis, meia e outras coisas. Isso iria demorar e acabar causando uma grande aglomeração na entrada do jogo. Algumas vezes, funcionários de clubes ajudam nessa entrada do material. A Polícia se esforça ao máximo, mas infelizmente alguma coisa passa. Mas, o grande problema não é a revista e sim o comportamento do torcedor que insiste em continuar com essa prática", finaliza o Major Ricardo Xavier, Comandante Interino do 2º Batalhão de Choque.


Entretenimento e Notícias

Suspendisse at libero porttitor nisi aliquet vulputate vitae at velit. Aliquam eget arcu magna, vel congue dui. Nunc auctor mauris tempor leo aliquam vel porta ante sodales. Nulla facilisi. In accumsan mattis odio vel luctus.


Em breve novidade aqui!!!

K2_LEAVE_YOUR_COMMENT

Usuário(s) Online

Temos 898 visitantes e Nenhum membro online
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree