Vale e Itaú negam acusações feitas por Palocci em delação premiada

15 Agosto 2019

SÃO PAULO - A Vale e o Itaú Unibanco divulgaram nesta quinta-feira comunicados repudiando as declarações feitas em delação premiada por Antonio Palocci, ex-ministro

da Fazenda e da Casa Civil nos governos do PT.

O ministro Edson Fachin, relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal (STF), ordenou que 4 bancos, 12 empresas e 12 políticos tenham supostas condutas ilícitas investigadas a partir de relatos que constam de 23 anexos da delação premiada de Palocci, assinada com a Polícia Federal (PF) e validada por Fachin em 2018.

Na delação, Palocci narrou supostas transferências ao PT "em contrapartida ao apoio do governo na defesa dos interesses do Bradesco, em especial no âmbito do conselho de administração da Vale do Rio Doce". De acordo com Palocci, de 2002 a 2014 foram R$ 27 milhões doados ao PT pelo Bradesco e R$ 26 milhões pela Vale.

"A Vale repudia enfaticamente qualquer alegação que procure distorcer suas doações eleitorais ou questionar sua legalidade. As doações sempre foram feitas em estrita observância da legislação e com total transparência, podendo ser conferidas no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)."

Em relação ao Itaú, o ex-ministro afirmou que houve repasse de R$ 4 milhões a uma das campanhas da ex-presidente Dilma Rousseff em troca de uma atuação da base governista em favor da fusão do Itaú com o Unibanco.

"O Itaú Unibanco repudia a tentativa de vincular doações eleitorais feitas de forma legal a supostas condutas para atender a interesses particulares. O banco não teve acesso à delação, mas afirma que a declaração mencionada é mentirosa. Nas eleições de 2006, 2010 e 2014, o banco doou montantes iguais aos candidatos que lideravam as pesquisas de opinião, conforme consta nos registros do TSE, o que deixa claro que não houve privilégio a qualquer um dos partidos. O Itaú Unibanco lamenta que seu nome tenha sido usado indevidamente por um réu confesso que tenta obter vantagens em acordos com a Justiça."

A defesa do ex-ministro enviou um comunicado ao Valor, afirmando que "a colaboração de Antonio Palocci ainda está sob sigilo. Por tal razão, a defesa do ex-ministro não comenta fatos específicos e não confirma ou infirma a veracidade destes."


Em breve novidade aqui!!!

K2_LEAVE_YOUR_COMMENT

Usuário(s) Online

Temos 805 visitantes e Nenhum membro online
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree