5 situações em que você precisa procurar um endocrinologista com urgência

28 Outubro 2019

Ir ao médico e fazer exames são medidas essenciais para saber se está tudo bem com a saúde. No entanto, em determinados casos, alguns sinais podem indicar que o corpo não

está funcionando adequadamente e chega a hora de procurar um especialista no assunto com mais urgência. Mas, afinal, você sabe quando precisa ir ao endocrinologista?

Leia também: Muito além da alimentação: 7 razões ocultas para você estar engordando

shutterstock
Diversos casos indicam que você precisa ir em um endocrinologista e, para saber quais, o iG conversou com uma especialista

Para saber quando é necessário procurar um profissional da especialidade, a reportagem do iG conversou com Carla Tamanini Ferrari, endocrinologista e especialista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). Ela lista cinco situações importantes que devem servir de alerta para procurar ajuda médica.

1. Ganho ou perda de peso sem causa aparente

ganho de peso
shutterstock
O ganho ou perda de peso de forma repentina pode indicar algumas doenças e, por isso, é importante procurar ajuda médica

Alterações maiores do que 5% do peso sem nenhuma mudança do estilo de vida ou padrão alimentar devem levantar a dúvida se não há algo de errado com o corpo. Doenças como o hipertireoidismo (excesso de hormônio tireoidiano), insuficiência adrenal (falta do cortisol ou "hormônio do estresse") e diabetes mellitus são alguns exemplos.

2. Alteração da menstruação

menstruação
shutterstock
Alterações significativas na menstruação indicam que é hora de procurar um endocrinologista para avaliar o cenário

O período reprodutivo das mulheres, chamado menacme, tem início com a primeira menstruação na puberdade e vai até a menopausa. Durante esse período, o ciclo menstrual depende da interação de diversos hormônios para o seu funcionamento adequado e uma possível posterior gestação.

Leia também: Entenda como o ciclo menstrual muda ao longo da vida

No início, há uma liberação de hormônios hipofisários (FSH e LH), que irão estimular os ovários na produção de estrógeno e progesterona. Doenças que acometem tanto a hipófise [glândula localizada no cérebro] quanto os ovários podem levar a distúrbios menstruais. A obesidade é um exemplo de uma doença que pode interferir na regularidade e na frequência da menstruação.

3. Diurese e sede excessiva

sede
shutterstock
Sede constante, por exemplo, é um dos sinais que podem indicar que a pessoa está com diabetes ou outras doenças

Sintomas de poliúria (excesso de urina durante o dia), nictúria (excesso de urina durante a noite - acordar mais do que três vezes para urinar, por exemplo), associados a sede excessiva ou queixa de boca seca são os principais sinais de glicemia aumentada, o que pode indicar diabetes mellitus.

Esses sintomas também estão presentes em outro tipo de diabetes, chamado insipidus, caracterizado pela ausência total, parcial ou pela resistência da sua ação do hormônio chamado vasopressina ou ADH, que é um hormônio armazenados naneuroipófise, responsável pelo nosso balanço hídrico no corpo e os níveis de sódio corporal.

Outra doença endocrinológica que pode determinar tais sintomas é o hiperparatireoidismo primário. Isso ocorre devido ao aumento do cálcio (hipercalcemia), levando a sintomas de diurese e sede excessivas. Com isso, diante de qualquer alteração que sentir, procure um especialista para que todo o cenário possa ser avaliado.

4. Fratura ósseas

fratura óssea
shutterstock
Se você sofreu uma fratura no osso, ir ao endocrinologista é essencial para ver se existe um quadro de osteoporose

Pacientes com histórico de fratura de baixo impacto, como, por exemplo, queda da própria altura ou lesões que geralmente não causariam grandes danos podem a suspeita de doenças ósseas. Isso pode gerar fragilidade e maior risco de fraturas. É importante avaliar para saber se é osteoporose, hipertireoidismo ou outras doenças relacionadas ao enfraquecimento dos ossos.

5. Excesso de pelos em mulheres

pelos
shutterstock
O excesso de pelos em mulheres também precisa ser investigado para saber se é o caso de ovários policísticos, por exemplo

A presença de excesso de pelos em mulheres tem várias causas. Uma delas é chamada de hirsutismo, que é a presença de pelo escuro e grosso no corpo feminino em regiões como face, tórax, dorso, região inferior do abdômen e parte interna das coxas, por exemplo, e que são mais comuns nos homens. A causa mais comum é a síndrome do ovário policístico.

Leia também: Com mutação genética rara, homem tem 98% de seu corpo coberto por pelos

Em todos os casos listados, a recomendação é procurar um endocrinologista para que se possa fazer o diagnóstico correto ao avaliar os sintomas e, assim, definir o tratamento adequado para cada caso.


Em breve novidade aqui!!!

Usuário(s) Online

Temos 387 visitantes e Nenhum membro online
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree