Possível epidemia? Casos de sífilis no Brasil cresceram mais de 4.000% em 8 anos

07 Novembro 2019

A sífilis no Brasil está se tornando um problema cada vez maior. No período entre 2010 e 2018, houve um aumento de 4.000% nos casos sífilis adquirida (transmitida sexualmente) no País,

indo de 3,8 mil para 158 mil, segundo dados do Ministério da Saúde. E este quadro pode ser um reflexo do descuido com a prevenção contra as DSTs.

Leia também: OMS alerta para epidemia de DSTs na era dos aplicativos de namoro

shutterstock
Tanto em homens como em mulheres, os casos de sífilis adquirida aumentaram em mais de 4.000% nos últimos 8 anos

“Quando você diminui a taxa de proteção, você vai ter um aumento superlativo nas doenças que se transmitem com mais facilidade, como a sífilis”, explica Alex Meller, urologista da Universidade Federal de São Paulo e membro do corpo clínico do Hospital Israelita Albert Einstein.

Para ele, o aumento dos casos de sífilis no Brasil, que também pode comprometer os bebês que ainda vão nascer devido a seu caráter congênito, vai além do descuido com a prevenção e seria também um reflexo da redução nas campanhas de prevenção.

Alexandre Pupo Nogueira, ginecologista membro do corpo clínico do Hospital Sírio Libanês, também vê uma certa despreocupação da geração mais jovem com a prevenção contra as DSTs.

Uma das razões, segundo ele, é a distância entre os jovens de 20 a 30 anos com o surto inicial de HIV, que fez com que a geração anterior se protegesse mais intensamente. “É como um pêndulo: uma geração se protege, a outra geração não vê problema”, compara.

O aumento nos casos de sífilis no Brasil em números

O resultado deste processo, que já se estende há quase uma década, foram 246,8 mil casos de sífilis no Brasil em 2018, entre as variantes adquiridas, congênitas (transmitidas da gestante para o feto) e diagnosticadas em mulheres grávidas. No infográfico abaixo, você pode encontrar mais informações sobre esta doença venérea:

Leia também: 11 sintomas do HIV que você precisa conhecer

O que pode ser feito para conter o surto de sífilis no Brasil?

Mulher segurando pacote de camisinha aberto
shutterstock
A solução para o surto de sífilis no Brasil é investir na prevenção, sem confiar que o tratamento basta

Dados estes números, pode surgir a pergunta: “Estamos presenciando uma epidemia de sífilis no Brasil?” A resposta, segundo os especialistas, é não - embora o surto deva ser motivo suficiente para preocupar as autoridades.

A solução, de acordo com o urologista e com o ginecologista, é voltar a investir na prevenção e na educação sexual para a população mais jovem. "A gente percebe que o problema existe, mas é pouco divulgado na mídia e menos ainda pelo governo", ressalta Alexandre.

O ideal, para Alexandre, é que se almeje a conscientização sobre sobre a existência de doenças como a sífilis e sobre a importância de se proteger delas, deixando o tratamento como um exemplo de último recurso.

Segundo ele, isso é preferível porque o abuso das medicações contra esta doença venérea já levou ao surgimento de novas espécies da bactéria causadora da sífilis que são resistentes ao tratamento com antibióticos. "É clichê, mas a prevenção é sempre o melhor remédio", crava.

Como saber se você tem sífilis

Homem pensativo e preocupado em consulta médica
shutterstock
A sífilis tem três estágios de desenvolvimento, cada um com uma gravidade e um sintoma característico

Caso tenha ficado em dúvida se está com algum problema como a sífilis, é importante procurar ajuda médica, principalmente se você leva uma vida sexual ativa e não tem o hábito de usar preservativos. Para identificar se suas suspeitas se justificam, estes são os sintomas da sífilis em suas respectivas fases:

  1. Fase primária: surgimento de lesões e úlceras nos órgãos genitais, conhecidas como cancro duro. Segundo Alex, elas não costumam causar dor, o que pode fazer com que passem despercebidas;
  2. Fase secundária: aparecimento de manchas avermelhadas na pele. Uma característica distinta das manchas causadas pela sífilis, segundo Alexandre, é que elas surgem também nas palmas das mãos e nas plantas dos pés;
  3. Fase terciária: depois da fase secundária, que pode durar cerca de 10 dias, a sífilis entra em período de latência, que pode durar anos. Neste estágio da doença, segundo o ginecologista do Sírio Libanês, qualquer fragilidade imunológica pode desencadear problemas sérios que afetam desde o cérebro até o coração e podem levar à morte.

Leia também: Veja como se proteger da sífilis

E mesmo depois que estiver tratado, a melhor saída é começar a usar proteção e se prevenir contra a doença. Assim, você se manterá seguro e ainda dificultará a proliferação da sífilis no Brasil.


Em breve novidade aqui!!!

Usuário(s) Online

Temos 803 visitantes e Nenhum membro online
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree