Entenda o que é o tumor retirado do cérebro de Gloria Maria e quais os sintomas

14 Novembro 2019

Gloria Maria passou por uma cirurgia no cérebro nessa segunda-feira (11) no Hospital Copa Star, no Rio de Janeiro, para retirar uma lesão expansiva cerebral. Na última quinta-feira (7), a jornalista

passou mal em sua casa e foi submetida a um exame de ressonância magnética. A lesão foi totalmente removida e ela passa bem. A alta deve acontecer até o fim de semana.

Leia também: Gloria Maria se recupera de cirurgia no cérebro e pode ter alta logo

Reprodução/Instagram/Gloria Maria
Gloria Maria passou por uma cirurgia para retirar uma lesão expansiva cerebral; neurologista explica o que é o tumor

Segundo Leonardo Takahashi, neurologista e neurocirurgião da Clínica Everest, a lesão expansiva, geralmente, é um tumor que está crescendo. É a manifestação de uma neoplasia. “É um crescimento novo. Tumor não quer dizer câncer. 2/3 dos tumores na cabeça vêm de outro lugar”, pontua o especialista.

Takahashi explica que o tumor é acompanhado de alguns sintomas. “Crise convulsiva pela primeira vez; dor de cabeça constante, principalmente quando a pessoa acorda; alteração de comportamento, como alguém que passou a ser agressivo; perda de memória; fraqueza no corpo, em uma parte específica; sonolência”, detalha.

Na presença de alguns dos sinais listados, o ideal é procurar um médico especialista, que deve pedir uma tomografia. Também é possível solicitar uma ressonância magnética, exame feito por Gloria Maria, que é geralmente realizado quando há um processo expansivo notório.

“Na tomografia, é como uma pessoa míope ver um quadro sem óculos. Mas, na ressonância magnética, é muito mais fácil ver os detalhes”, compara o médico.

Quando fazer a cirurgia?

A jornalista teve de ser operada por conta da lesão expansiva cerebral e, para chegar ao ponto de fazer uma cirurgia, vai depender do tamanho do tumor. “Se for maligno, se a pessoa pode entrar em coma, tem que fazer rápido. Caso não, dá para programar melhor”, diz. No entanto, quanto mais rápido tirar o tumor, melhor, alerta Takahashi.

Após o procedimento cirúrgico, os pontos são retirados depois de 15 a 21 dias. “Tem que fazer repouso para a cicatrização ir bem”, destaca. Além disso, o paciente precisa evitar quedas ao máximo. Também recomenda-se que a pessoa não ande de avião nesse período. Além disso, a cicatriz não pode ficar exposta ao sol.

Depois que o tumor é retirado, o patologista, junto com o oncologista, faz a avaliação para que o paciente tenha o tratamento correto. No caso do tumor cerebral, tabagismo, doenças hereditárias e exposição à radiação são fatores que podem levar ao surgimento da doença.

“Com o diagnóstico precoce, ao pegar o tumor na fase inicial, o tratamento é muito bom, rápido. Com isso, consegue garantir melhor sobrevida, ótima qualidade de vida e menor risco de sequelas”, finaliza.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree