-->

Protesto em apoio a Evo Morales acaba com mortos e feridos na Bolívia

16 Novembro 2019

Milhares de apoiadores do ex-presidente tentavam chegar à cidade de Cochabamba. Comissão Interamericana de Direitos Humanos condenou o uso desproporcional da força. Agentes jogam gás de pimenta em manifestantes
na Bolívia Reuters/Marco Bello Um protesto acabou com ao menos 5 mortos na Bolívia nesta sexta-feira (15). Segundo a imprensa local, eles eram plantadores de folha de coca e apoiadores do ex-presidente Evo Morales. Outras 26 pessoas ficaram feridas e outras 169 foram presas. No Twitter, a CIDH (Comissão Interamericana de Direitos Humanos ) condenou o uso desproporcional da força e disse que o Estado tem obrigação de garantir o direito à vida e à integridade física daqueles que protestam pacificamente. Milhares de apoiadores de Evo Morales tentavam chegar à cidade de Cochabamba para se opor ao governo interino de Jeanine Áñez, que se declarou presidente. A mobilização foi interceptada no rio Huayllani, perto de Sacaba, onde houve o confronto. Ainda de acordo com a imprensa local, os cinco mortos são: Emilio Colque, Juan López, Omar Calle, César Sipe e uma pessoa não identificada. Entenda o que é a wiphala e como a questão indígena na Bolívia acirrou a crise política no país Pelo Twitter, Evo, que está asilado no México, pediu "às forças armadas e à polícia boliviana que parem o massacre". Initial plugin text Manifestantes protestam na Bolívia Reuters/Henry Romero Segundo a AFP, o comandante da Polícia de Cochabamba, coronel Jaime Zurita, disse que os manifestantes "portavam armas, escopetas, coquetéis molotov, bazucas caseiras e artefatos explosivos". "Estão usando dinamite e armamento letal como (fuzis) Mauser 765. Nem as forças armadas, nem a polícia têm esse calibre, por isso estou alarmado", acrescentou Zurita. Jeanine Áñez Jeanine Áñez declarou nesta sexta-feira que Evo pode voltar ao país de seu exílio no México mas, caso retorne, deverá "responder à Justiça" por irregularidades nas eleições de outubro e por "denúncias de corrupção". "(Morales) Foi sozinho e, se voltar, sabe que tem que responder à Justiça", declarou Áñez. As informações são da France Presse. "Há um crime eleitoral, há muitas denúncias de corrupção em seu governo", disse Áñez, em sua primeira reunião com a imprensa estrangeira no Palácio Quemado de La Paz, três dias depois de se proclamar presidente interina. Morales, que governou o país por quase 14 anos, disse quarta-feira no México que está disposto a voltar para "pacificar" a Bolívia. Afirmou ainda que, com sua renúncia, buscou deter a violência no país. Relação com Venezuela Presidente interina da Bolívia corta relações com o governo de Nicolás Maduro O novo governo da Bolívia anunciou a ruptura das relações com o regime de Nicolás Maduro e a expulsão de todos os funcionários da embaixada da Venezuela em La Paz, alegando a suposta interferência deles em assuntos internos do país. A decisão vem um dia após a presidente interina Jeanine Áñez reconhecer o líder da oposição Juan Guaidó como presidente da Venezuela.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree