-->

Eleição presidencial no Sri Lanka: clã Rajapaksa volta ao poder

17 Novembro 2019

Gotabaya Rajapaksa, muitas vezes apelidado de “Exterminador”, foi eleito à presidência da ilha do sul da Ásia. O presidente eleito do Sri Lanka, Gotabaya Rajapaksa, acena para seus eleitores
neste domingo (17) Stringer/Reuters Após cinco anos na oposição, o poderoso clã Rajapaksa retornou ao poder no Sri Lanka neste domingo (17), com a eleição de Gotabaya Rajapaksa, muitas vezes apelidado de “Exterminador”, à presidência da ilha do sul da Ásia. "Vamos celebrar com tranquilidade, dignidade e disciplina. E vamos nos lembrar de que todos os cidadãos devem ser incluídos nesta nova aventura", disse Gotabaya Rajapaksa ao anunciar a vitória, poucos minutos depois do rival Sajith Premadasa admitir sua derrota. A estimativa é de Gotabaya Rajapaksa tenha obtido "entre 53 e 54%" dos votos. Os primeiros resultados oficiais já mostravam a tendência deste ex-soldado de 70 anos em direção à maioria dos votos. "É uma vitória clara. Nós tínhamos imaginado isso. Estamos muito satisfeitos que "Gota" seja nosso próximo presidente ", acrescentou seu porta-voz, dizendo que o candidato deve prestar juramento na segunda ou terça-feira. Campanha nacionalista Dos quase 3 milhões de votos já apurados, o irmão do ex-presidente Mahinda Rajapaksa (2005-2015) conquistou 48,2%. A expectativa é de que os resultados nas áreas cingalesas, a maioria étnica do país que forma a base eleitoral do Rajapaksa, o levem acima da marca de 50%. Seu rival Sajith Premadasa, candidato do partido no poder, ficou atrás com 45,3% dos votos, de acordo com os resultados provisórios. Gotabaya Rajapaksa liderou uma campanha nacionalista e focada na segurança em uma nação ainda devastada pelos ataques jihadistas ocorridos na Páscoa, que deixaram 269 mortos. No último dia 21 de abril, homens-bomba explodiram hotéis de luxo e igrejas cristãs durante a celebração de missas. Lembrança de divisão e repressão O clã Rajapaksa deixou uma marca da separação e repressão das minorias: o irmão de Gotabaya, Mahinda, governou a ilha por dez anos com um punho de ferro, ele pôs fim à guerra contra a rebelião tâmil com um banho de sangue que matou mais de 10 mil civis tâmeis. Membros dessa minoria foram presos arbitrariamente, acusados ​​de colaborar com os rebeldes. Gotabaya Rajapaksa, apelidado de "Exterminador", era secretário de Estado da Defesa na época e é acusado por tortura perante o tribunal dos Estados Unidos. Fica a expectativa e a promessa, feita por ele mesmo durante o discurso de vitória, de provar que pode respeitar os direitos das duas principais minorias do país, tâmeis e muçulmanos, que juntos representam 21% da população do Sri Lanka.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree