-->

Bolívia tem escassez de alimentos e de combustível com estradas bloqueadas por manifestantes pró-Evo

18 Novembro 2019

Feirantes tiveram de fechar barracas e comerciantes aumentaram os preços por causa do bloqueio nas estradas bolivianas. Sem ter o que vender, mulher cobre banca em feira em La
Paz, na Bolívia, nesta segunda-feira (18) Natacha Pisarenko/AP Photo Moradores de diversas cidades na Bolívia relatam escassez de alimentos e gasolina por causa de protestos contra a queda do ex-presidente Evo Morales, que renunciou ao cargo pressionado pela oposição e por militares após denúncias de fraude nas eleições presidenciais de outubro. O governo interino da Bolívia disse nesta segunda-feira (18) que os esforços para abastecer La Paz encontra dificuldades devido às barreiras instaladas nas estradas. A nova liderança também enfrenta obstáculos para estabelecer diálogo com os oponentes, principalmente depois da morte de nove apoiadores de Evo em confrontos com forças de segurança no fim de semana. Manifestantes pró-Evo Morales bloqueiam estradas e impedem abastecimento de La Paz Apoiadoras de Evo Morales sentam em frente à polícia em La Paz, na Bolívia, nesta segunda-feira (18) Natacha Pisarenko/AP Photo Furiosos com a repressão armada, partidários do ex-presidente pedem a renúncia de Jeanine Áñez, autoproclamada presidente interina da Bolívia. Vice-presidente do Senado, ela se lançou à liderança do país após as renúncias da linha sucessória de Evo. Áñez promete novas eleições 'em breve' Líderes da igreja boliviana anunciaram nesta segunda-feira planos de um diálogo com o enviado especial da Organização das Nações Unidos (ONU) Jean Arnault. Eles esperam a participação de militantes do Movimento ao Socialismo (MAS) – partido de Evo – e disseram que a conversa abordará novas eleições e um novo tribunal eleitoral. La Paz fechada Funcionária de posto pinta o estabelecimento fechado em La Paz, na Bolívia, nesta segunda-feira (18) Natacha Pisarenko/AP Photo O novo ministro de Hidrocarbonetos, Víctor Hugo Zamora, disse à rede de televisão boliviana ATB que o abastecimento de gasolina enfrenta dificuldades para chegar a La Paz por causa dos bloqueios de manifestantes. Diversas lojas de La Paz estão fechadas, e as poucas ainda abertas cobram o dobro dos preços normais, relata a moradora Guillermina Chura. "O que vamos dar às nossas famílias se as coisas continuarem desse jeito?", questionou Chura. Açougue com escassez de carne em La Paz, na Bolívia, nesta segunda-feira (18) Natacha Pisarenko/AP Photo Mulher come sozinha em restaurante em La Paz, na Bolívia, nesta sexta-feira (18) Natacha Pisarenko/AP Photo A vendedora Ana Gonzáles contou ter fechado a banquinha de vegetais que tinha nas ruas de La Paz por não ter nada a vender. "Vou viver de quê?", indagou a comerciante. Ela também diz que Evo, que está no México após obter asilo no país, deve agir para acalmar a situação. O ex-presidente tem condenado o governo interino e dito que foi vítima de um golpe de estado. Além de La Paz, os bloqueios nas estradas também afetaram o comércio de Santa Cruz de La Sierra. Produtores dizem que frutas e outros vegetais estão estragando nos caminhões retidos antes de chegar aos mercados. Estratégia de Evo Manifestantes favoráveis a Evo Morales protestam em Cochabamba, na Bolívia, nesta segunda-feira (18) Natacha Pisarenko/AP Photo O grupo pró-Evo instalou os bloqueios nas estradas como parte de um esforço para desestabilizar o governo interino, afirmou o analista econômico Alberto Bonadona, professor na Universidade Maior de San Andrés. A Defensoria Pública estima que ao menos 23 pessoas morreram nos protestos violentos desde as eleições de 20 de outubro. Evo declarou vitória após a votação, mas opositores denunciaram fraude e iniciaram grandes protestos. Uma auditoria internacional liderada pela Organização dos Estados Americanos (OEA) concluiu que houve irregularidades no processo eleitoral (saiba quais irregularidades foram encontradas). A crise na Bolívia expôs divisões étnicas, raciais e geográficas que muitos pensaram estar superada durante os 14 anos do governo de Evo, que introduziu uma constituição considerada mais inclusiva. Analistas dizem que o movimento para derrubar o ex-presidente partiu da revolta da classe-média urbana contra os esforços do político para permanecer no poder. Mapa mostra cidades da Bolívia e relação com as divisões políticas do país Wagner Magalhães/G1 Initial plugin text

Em breve novidade aqui!!!

Usuário(s) Online

Temos 453 visitantes e Nenhum membro online
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree