Imprimir esta página
-->

Michel Temer abandona a carreira política e diz que não será candidato a nada

15 Fevereiro 2020
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Michel Temer anuncia a aposentadoria da vida pública


O ex-presidente Michel Temer aposentou da carreira política. Se dizendo

contente por ter ocupado diversos cargos públicos durante seus 79 anos de idade, o emedebistas anunciou que não participará mais de eleições e deve dedicar sua vida ao estudo do direito e à literatura, temas que diz ser suas maiores paixões além da família.

Leia também: Presidente do STJ suspende processo contra Michel Temer por lavagem de dinheiro

"Já fui tudo", disse Michel Temer ao UOL. O ex-Presidente da República, de fato, ocupou diversos cargos públicos.

Formado em Direito, o sempre filiado ao PMDB (depois MDB) foi procurador-geral do Estado de São Paulo nomeado por Franco Montoro em 1983. Depois, pelas mãos do mesmo governador, assumiu a Secretaria de Segurança Pública. O primeiro cargo no Congresso veio em 1987, quando se tornou um deputado federal constituinte sendo suplente de Tide de Lima.

Leia também: Temer está satisfeito por ter votado em Bolsonaro: "Dá sequência ao que eu fiz"

A primeira eleição em que de fato foi eleito foi a de 1994. Assim, Temer foi deputado federal seguidamente até 2010, exercendo o papel de presidente da Câmara por três vezes. No último ano em que presidia a Mesa Diretora, decidiu, em escolha conjunta com o PMDB, participar da chapa do PT à presidência do Brasil, encabeçada por Dilma Rousseff. Graças a pressão do mesmo, ficou com o cargo de vice-presidente, sendo eleito.

No segundo mandato como vice-presidente, Michel Temer acabou assumindo o posto de Presidente da República após o impeachment de Dilma Rousseff (PT). Sua presidência ficou macada por escândalos de corrupção, medidas pesadas na segurança pública e boa articulação junto ao Congresso Federal, conseguindo a aprovação de reformas, como a trabalhista e a da educação.

Leia também: Vaza Jato: Cunha citou Temer, Maia e 120 políticos em tentativa de delação

Na mesma entrevista, Michel Temer afirmou que depois de ocupar a Presidência da República, nenhum cargo pode estar acima e que não faz sentido se candidatar de novo.

Mesmo fora da vida pública, Temer ainda enfrenta problemas com a justiça. O ex-presidente chegou a ser preso preventivamente no ano passado acusado de esconder provas que o encriminasse. O emedebista é investigado na Operação Lava Jato sob supostas propinas pagas pela empreiteira Odebrecht a ele e aos aliados Eliseu Padilha e Moreira Franco em troca de benefícios políticos. Todos negam.

Temer ainda responde a denúncias de irregularidades no Porto de Santos por ter supostamente autorizado concessões do local em troca de propina e utilizado a reforma de um imóvel como lavagem de dinheiro. O ex-presidente nega todas as acusações.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree