-->

Homem usa oferta de emprego para sequestrar mulher e obrigá-la a se prostituir

19 Fevereiro 2020


Reprodução
Mulheres eram sequestradas, estupradas e obrigadas a se prostituirem


Foi descoberto, nesta terça-feira (18), na zona norte de São Paulo, um cativeiro onde mulheres eram

feitas reféns e obrigadas a se prostituirem. Um homem, de 34 anos, foi preso acusado por tráfico de pessoas com víes de exploração sexual, corrupção de menores e estupro consumado.

O crime veio à tona após uma jovem, de 16 anos, ter conseguido fugir do cativeiro. Ela contou aos policiais que aproveitou um momento de distração do criminoso para escapar. A jovem correu para uma estação de metrô nos arredores da casa onde era mantida sequestrada e pediu ajuda às pessoas que passavam pelo local. A garota foi orientada a procurar o Delpom (Delegacia de Polícia do Metropolitano).

A Polícia Cívil foi acionada e prendeu o aliciador no local do crime, onde outras duas jovens foram libertadas - uma adolescente de 16 anos e uma jovem de 19 anos. A primeira garota a fugir do cativeiro contou à Polícia que o sequestrador entrou em contato por meio das redes sociais, com a promessa de emprego bem- remunerado no comércio paulistano. A garota de São João Nepomuceno (MG) viu na proposta uma oportunidade de iniciar uma vida profissional próspera em São Paulo.

O criminoso pagou a passagem da garota para a capital paulista. Ao chegar em São Paulo, a adolescente foi estuprada e levada para o cativeiro, de onde só podia sair para fazer programas no bairro do Liberdade. Não foi revelado há quanto tempo a adolescente de Minas Gerais estava sequestrada, mas informações apontam que uma das jovens resgatadas foi feita refém havia 8 meses.

Leia também: Médico é preso por aplicar remédio abortivo na namorada sem consentimento

Segundo apuração da Polícia Cívil, o criminoso, que não teve a identidade revelada, agia sozinho. Ele já havia sido autuado anteriormente por receptação de produtos roubados. Além do sequestrado, também foi indiciado o proprietário do hotel no bairro da Liberdade, onde as vitimas eram obrigadas a realizar os programas. O dono do hotel irá responder por rufianismo (crime no qual o acusado tira proveito da prostituição alheia).

Após serem resgatadas, as vítimas foram encaminhadas para o Conselho Tutelar. As garotas passaram por exames médicos no Hospital Pérola Byington, centro de referência em saúde feminina.



Em breve novidade aqui!!!

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree