-->

PMs da Subsecretaria de Inteligência presos por extorsão são indiciados

19 Fevereiro 2020
shutterstock
Defesa de policiais pediu liberdade, mas a Justiça negou.

A Auditoria de Justiça Militar denunciou seis policiais militares que trabalharam

na Subsecretaria de Inteligência da Polícia Militar e que foram presos acusados de se passarem por policiais civis da Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM) para extorquir comerciantes em bairros do Rio e na Baixada Fluminense. A denúncia de extorsão é referente ao caso de um dos comerciantes, que teria entregue R$ 12 mil para a quadrilha em uma caixa de sapato.

Leia mais: Alcolumbre pede a Moro e a governador do Ceará garantia de segurança à Cid Gomes

Foram denunciados o tenente Victor Magnano Mangia, o sargento Roberto Campos Machado e os PMs Nacle de Souza Oliveira, Jeferson Rodrigues Batista, Pedro Augusto Martins Barreiro e Ivan Marques Cunha.

A defesa dos PMs pediu a liberdade, mas a Justiça negou. Segundo a Auditoria Militar, “a necessidade da custódia cautelar dos réus por conveniência da instrução criminal, que ainda se inicia, tornando-se imperioso concluir que, uma vez em liberdade, podem os acusados dificultarem a repetição das provas em sede judicial, influindo no ânimo das testemunhas que ainda irão depor em juízo ou obstruindo a obtenção de provas que podem a vir elucidar os fatos, inviabilizando, por conseguinte, eventual aplicação da lei penal militar”.

Segundo a Justiça, o PM Pedro Augusto Martins não respondia a outras investigações e estava em liberdade. O agente foi denunciado na investigação que aponta a extorsão do chinês Chen Zhengwu, em Madureira. Agora, o tribunal determinou que ele seja preso e responda às acusações na prisão.

No fim de janeiro deste ano, Zhengwu prestou depoimento em uma audiência de acusação na Auditoria de Justiça Militar do Tribunal de Justiça e afirmou que o dinheiro foi entregue aos PMs na estação de trem de Madureira.

Segundo o empresário, os policiais foram à loja em Madureira e exigiram R$ 30 mil para não apreenderem as mercadorias. No entanto, ele disse que não tinha, e ofereceu R$ 15 mil. No fim, conseguiu juntar R$ 12 mil – valor que, segundo ele, foi entregue na estação de trem.

Além de Chen Zhengwu, outros quatro comerciantes das Zonas Norte, Oeste e Baixada Fluminense também relataram em juízo que tiveram que pagar “um arrego” aos PMs.

Leia também: Cid Gomes é baleado ao tentar invadir batalhão de polícia com trator

Também estão presos pelo crime o sargento Guttemberg Dantas da Silva e a cabo Leslie Cristina Duarte Rocha. Todos estão, desde novembro, na Unidade Prisional da Polícia Militar, no Fonseca, em Niterói.


Em breve novidade aqui!!!

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree