-->

Juiz determina nova perícia na casa onde Adriano da Nóbrega foi morto

16 Março 2020
Reprodução
Miliciano foi morto durante ação do Bope em sítio na Bahia

O juiz Augusto Yuzo Jouti, da comarcade Esplanada, na Bahia, atendeu pedido feito pela família do ex-capitão Adriano Magalhães

da Nóbrega e determinou a realização de uma nova perícia na casa onde o ex-PM morreu após trocar tiros com homens do Batalhão de Operações Especiais (Bope) daquele estado. De acordo com a decisão, o procedimento será feita por um perito indicado pelos parentes de Adriano.

O exame pericial será realizado na presença de um oficial de justiça e poderá ser assistido por representantes do Ministério Público (MP) da Bahia. Apesar da decisão favorável à família, o juízo de Esplanada negou outro pedido feito pelo advogado Paulo Emílio Catta Preta, que representava Adriano, para que o imóvel fosse isolado até a realização do exame.

Leia também: Polícia do Rio pedirá prazo maior para laudo complementar da morte de Adriano

Na decisão, o juiz diz que a fazenda onde o miliciano morreu "é particular" e que "descabe o isolamento". "O fato ocorreu há um mês, já houve perícias oficiais. Além disso, cuida-se de imóvel particular, não vislumbrando-se motivo para torná-lo indisponível. Desse modo, a perícia deverá ser realizada no estado em que o imóvel se encontrar", afirma Yuzo Jouti no documento.

O magistrado acrescenta que a perícia será realizada pelo perito Ari Fontana, indicado pelos familiares de Adriano, em um prazo de 15 dias. O proprietário do imóvel, o vereador Gilsinho de Dedé, será procurado para abrir a fazenda.

O MP da Bahia informou que não recebeu, até o momento, qualquer informação sobre a data da perícia. "Desde que haja compatibilidade com a agenda, o MP acompanhará o ato", afirma a promotoria.

Relembre

Adriano Magalhães da Nóbrega morreu no dia 9 de fevereiro após reagir a um cerco da PM. Ele estava na casa em um sítio, no Bairro das Palmeiras, e foi morto, segundo a Secretaria de Segurança Pública da Bahia, por dois tiros que o atingiram na região do tórax e do pescoço.

No último dia 20 de fevereiro, um exame complementar cadavérico foi realizado no Instituto Médico-Legal do Rio após uma outra decisão judicial do Juízo de Esplanada, também atendendo a um pedido de parentes do ex-PM. A família de Adriano tenta provar que o ex-capitão foi vítima de uma execução.

Leia também: Capitão Adriano é o Celso Daniel da família Bolsonaro, diz Bebbiano

No fim de janeiro, o ex-capitão do Bope do Rio já havia conseguido fugir de um cerco feito pela PM, na Costa do Sauipe, área nobre do litoral baiano. Ele estava com a prisão decretada por crimes de agiotagem, homicídio e grilagem de terras. O ex- PM era apontado por promotores do Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) como chefe da milícia de Rio das Pedras, na Zona Oeste do Rio.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree