-->

Janaina Paschoal se diz arrependida e defende afastamento de Bolsonaro e Mourão

16 Março 2020
Sérgio Galdino
Janaina Paschoal foi uma das autoras do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff

A deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) disse nesta segunda-feira (16), durante expediente na Assembleia Legislativa

de São Paulo (Alesp), que está arrependida de ter votado em Jair Bolsonaro (sem partido) em 2018, quando ele era candidato a presidente. A parlamantar também defendeu o afastamento dele e pediu que seu vice, o general Hamilton Mourão, assumisse a Presidência.

"Esse senhor tem que sair da Presidência da Republica, deixa o [vice-presidente Hamilton] Mourão que entende de defesa. Nosso país está entrando em uma guerra contra um inimigo invisível. Deixa o Mourão, que é treinado para defesa, conduzir a nação", afirmou Janaina.

Uma das autoras do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) por crime de responsabilidade fiscal, a deputada ainda criticou a atitudade do presidente de participar das manifestações de domingo contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia também: "Globo se curvou a vida toda ao dinheiro público", diz Janaina

"Não tem mais justificativa. Como um homem que está possivelmente infectado vai para o meio da multidão? Como um homem, que faz uma live na quinta e diz para não ter protestos, vai participar desses mesmos protestos e manda as deputadas que são paus-mandados dele chamar o povo pra rua?", questionou.

De acordo com Janaina, Bolsonaro não está tomando as devidas precauções para a contenção do novo coronavírus. "Como é que esse homem vai lá, potencialmente contaminando as pessoas, pegando nas mãos, beijando? Ele está brincando? Ele acha que ele pode tudo? As autoridades têm que se unir e pedir para ele se afastar. Nós não temos tempo para um processo de impeachment. Nós estamos sendo invadidos por um inimigo invisível."

Leia também: Janaina: se fala de testemunha em CPI fosse contra Bolsonaro "acusariam racismo"

Na semana passada, o presidente chegou a desencorajar que os manifestantes participassem do protesto. Apesar do apelo, muitos deles compareceram mesmo assim e usaram a hashtag #DesculpeJairMasEuVou para confrontar Bolsonaro.

De última hora, o presidente decidiu participar da manifestação de Brasília, ignorando a recomendação do Ministério da Saúde de evitar aglomerações. No início ele estava dentro de um carro, mas depois saiu do veículo. Ele se aproximou o rosto de vários apoiadores para posar para fotos e pegou celulares para tirar selfies.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree