-->

Menina raptada e abusada em Duque de Caxias será ouvida ao lado de psicólogo

17 Março 2020
Reprodução/redes sociais
Maria Eduarda foi raptada e abusada ao longo das 17 horas em que ficou em cativeiro

A menina de 9 anos que foi sequestrada e estuprada na última semana

em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, deve ser ouvida novamente sobre o crime nos próximos dias. A Polícia Civil avalia se vai colher um novo relato da criança com o acompanhamento de um psicólogo e a presença da equipe da Delegacia da Criança e Adolescente Vìtima (DCAV). Após esse depoimento, o inquérito do caso deve ser concluído e enviado à Justiça.

Leia também: “Nós temos um irresponsável na Presidência da República”, diz Ciro Gomes

O auxiliar de serviços gerais Ricardo Ferreira Rabello, de 43 anos, está preso temporariamente suspeito de ter sequestrado e estuprado a menina. A prisão temporária é de 30 dias, podendo ser prorrogada por mais 30. Com a conclusão do inquérito e o indiciamento de Rabello, a polícia vai pedir à Justiça a sua prisão preventiva, que é por tempo indeterminado. Na 60ª DP (Campos Elíseos), responsável por investigar o caso, o auxiliar de serviços gerais confessou o crime na presença de um advogado.

A menina de 9 anos foi levada de uma praça de Duque de Caxias no último dia 8. Ela ficou 17 horas desaparecida e foi resgatada por policiais militares na Rodovia Washington Luiz, em Campos Elíseos, na altura da Refinaria de Duque de Caxias (Reduc). No dia em que foi encontrada, a criança chegou a ser ouvida pela polícia com o acompanhamento de uma psicóloga.

De acordo com as investigações da polícia, a menina sofreu abusos na casa do suspeito, no bairro São Bento, também em Duque de Caxias. A residência simples, que tem um portão improvisado com palet de madeira e é coberta por uma fina camada de telha de amianto, conta com três pequenos cômodos. Uma cozinha, um banheiro sem chuveiro, e um quarto. Neste último cômodo, há uma cama box onde a criança teria dormido.

Uma televisão de 14 polegadas, onde o auxiliar de serviços gerais assistiu a notícia que a menina estava sendo procurada, estava sobre uma espécie de estante de madeira. Um currículo guardado no local informava que Rabelo trabalhou entre 2016 e 2017 em uma empresa que serve refeições. No documento, Ricardo diz ser uma pessoa que tem capacidade de ouvir e seguir instruções, além de ser comunicativo e com competência para planejar tarefas. Na cozinha, há uma geladeira antiga e uma pia.

Leia também: Governo federal cria comitê de crise para monitorar impactos do novo coronavírus

A casa de tijolos não conta com emboço e, no lugar de uma das janelas, há apenas um buraco. Apesar disto, vizinhos informaram que não ouviram nenhum barulho suspeito, entre domingo e segunda-feira, quando a criança esteve no local em companhia do auxiliar de serviços gerais: "a gente não ouviu nada. Até porque aqui é uma rua muita tranquila".

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree