-->

"Atual pandemia só não é mais grave que o ebola", diz médico cubano na Itália

23 Março 2020
Reprodução/Twitter @UrbanNathalia
Médicos cubanos na Itália

Um dos médicos cubanos enviados à Itália para combater o novo coronavírus (Sars-CoV-2) afirmou nesta segunda-feira (23) que a atual pandemia só não é mais

grave que a epidemia de ebola que atingiu a África Ocidental entre 2014 e 2016.

Leia também: Covid-19 mata 15 mil no mundo e confinamento atinge mais de um bilhão de pessoas

Leonardo Fernández, de 68 anos, é médico intensivista e já atuou em diversas emergências internacionais, incluindo terremotos e tsunamis, além da epidemia de febre hemorrágica que matou mais de 11 mil pessoas, quase todas elas em Serra Leoa, Libéria e Guiné.

"Na minha opinião, só o ebola era mais grave que esse coronavírus", afirmou o médico, em entrevista por telefone à ANSA. Fernández chegou na Itália neste domingo (22), ao lado de outros 36 médicos e 15 enfermeiros cubanos.

O grupo trabalhará em um hospital de campanha de Crema, na Lombardia, que será inaugurado nesta terça (24). "Chegamos aqui para ajudar, ajudar e ajudar", declarou Fernández, acrescentando que ficará na Itália "o tempo que for necessário para resolver a emergência".

Leia também: Datafolha: Governadores agradam mais que Bolsonaro durante crise do coronavírus

"Estou certo de que venceremos a Covid-19 [doença provocada pelo novo coronavírus], não tenho dúvidas", garantiu. A Itália já contabiliza quase 60 mil casos e 5,5 mil mortes na pandemia.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree