-->

Quebra de sigilo da reunião com ministros foi vitória para Moro

23 Mai 2020
Agência Brasil
Moro alega que reunião é prova de que Bolsonaro teve interesses pessoais ao intervir na Polícia Federal do Rio


O ex-ministro Sérgio Moro se manifestou em

seua página no Twitter sobre a liberação da gravação ministerial do dia 22 de abril, divulgada por decisão do ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal (STF).

Moro também afirmou em nota que os trechos divulgados podem sustentar sua afirmação sobre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) intergerir na Polícia Federal do Rio de Janeiro.

"A verdade foi dita, exposta em vídeo, mensagens, depoimentos e comprovada com fatos posteriores, como a demissão do Diretor Geral da PF e a troca na superintendência do RJ", escreveu.

A verdade foi dita, exposta em vídeo, mensagens, depoimentos e comprovada com fatos posteriores, como a demissão do DIretor Geral da PF e a troca na superintendência do RJ. Quanto a outros temas exibidos no vídeo, cada um pode fazer a sua avaliação.

— Sergio Moro (@SF_Moro) May 22, 2020



Defensor de Moro, o criminalista Rodrigo Sánchez Rios informou que a decisão de divulgação do vídeo mostra "avanço democrático" no país e é constitucional.

No vídeo, Bolsonaro fez ameaças, referiu ofensas a outros governantes, como os governadores de São Paulo e do Rio de Janeiro, e usou palavrões.

Leia também: Vídeo da reunião de Jair Bolsonaro: "Esse bosta de governador"

"Já tentei trocar gente da segurança nossa no Rio de Janeiro, oficialmente, e não consegui! E isso acabou. Eu não vou esperar foder a minha família toda, de sacanagem, ou amigos meu, porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence a estrutura nossa", afirma o presidente "Vai trocar! Se não puder trocar, troca o chefe dele! Não pode trocar o chefe dele? Troca o ministro! E ponto final! Não estamos aqui pra brincadeira", continuou.

Bolsonaro disse ter se referido ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI), mas a versão Moro é de que o presidente teria interesse em interferir na Polícia Federal. Mensagens no celular do ex-ministro também estão sob investigação.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree