-->

Em duas horas, Bolsonaro e ministros dispararam 42 palavrões; presidente lidera

23 Mai 2020
Jorge William/Agência O Globo
Presidente Jair Bolsonaro e os governadores do Rio, Wilson Witzel, e
de São Paulo, João Doria

O vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, considerado peça chave na investigação que busca apurar se o presidente Jair Bolsonaro interferiu politicamente na Polícia Federal, é marcado por palavrões em meio a discussões exaltadas sobre a pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2), o Supremo Tribunal Federal, a economia e a própria Polícia Federal (PF). Em quase duas horas de reunião, o presidente e seus ministros proferiram nada menos que 42 palavrões. Bolsonaro foi, de longe, o líder do ranking: 34.

Leia também: Bolsonaro ataca STF e diz que jamais entregará seu celular porque não é "rato"

A reunião só teve o seu vídeo divulgado por uma decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, relator do inquérito. O clima da reunião era pesado. Bolsonaro cobrou que seus ministros defendessem seu governo publicamente, criticou o Supremo, a oposição, e xingou os governadores do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), e de São Paulo, João Doria (PSDB).

Visivelmente irritado, Bolsonaro não economizou em palavras de baixo calão. "Porra" foi o palavrão mais frequente a sair da boca de Bolsonaro durante a reunião. Foram oito vezes. Numa delas, o presidente cobrou diretamente os seus subordinados por mais atitude.

"Tem que se preocupar com a questão política, e a quem de direito, tira a cabeça da toca, porra! Não é só ficar dentro da toca o tempo todo não!", reclamou.

O segundo palavrão mais comum usado por Bolsonaro foi "bosta". Foram sete vezes. Foi esse o termo escolhido para definir seu antigo apoiador, João Doria. O governador do Rio, Wilson Witzel, também ex-aliado, foi chamado de "estrume".

"Que os caras querem é a nossa hemorroida! É a nossa liberdade! Isso é uma verdade. O que esses caras fizeram com o vírus, esse bosta desse governador de São Paulo, esse estrume do Rio de Janeiro, entre outros, é exatamente isso", disse Bolsonaro ao criticar as ações tomadas por Witzel e Doria no combate à epidemia causada pelo novo coronavírus.

Depois de "porra" e "bosta", o outro palavrão mais comum dito por Bolsonaro na reunião foi "merda": cinco vezes.

Mas Bolsonaro não foi o único proferir palavrões durante a reunião. O "todo poderoso" Paulo Guedes, ministro da Economia, também mandou das suas. Guedes usou os termos "foder" (três vezes) e porra (uma vez). Mesmo formado no exterior, Paulo Guedes não poupou nem a ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, única mulher entre os ministros, ao mencioná-la em uma resposta repleta de palavrões.

"Deixa cada um se foder. Ô Damares. Damares. Damares. Deixa cada um... Damares. Damares. O presidente, o presidente fala em liberdade. Deixa cada um se foder do jeito que quiser. Principalmente se o cara é maior, vacinado e bilionário. Deixa o cara se foder, pô!", disse Guedes à ministra ao defender a proposta de criação de resorts com cassinos no Brasil.

Além de Bolsonaro e Guedes, o ministro da Casa Civil, Walter Braga Neto, soltou um "caralho" na reunião e o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, também mostrou seus credenciais: usou porra três vezes.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree