-->

Por que a OMS agora recomenda uso de máscara em público contra covid-19?

06 Junho 2020


A Organização Mundial da Saúde ( OMS) mudou suas orientações sobre uso de máscaras e disse que elas devem ser usadas em público para ajudar a impedir

a propagação do coronavírus.

Leia também: Bolsonaro ameaça tirar Brasil de OMS por “viés ideológico”

Pixabay
OMS mudou recomendação em relação a máscaras


O órgão disse que novas informações mostram que elas podem fornecer "uma barreira para gotículas potencialmente infecciosas". Mas a OMS destaca que apenas as máscaras não são suficientes para evitar a disseminação do coronavírus.

Leia também: OMS aumenta prazo recomendado de isolamento para casos de Covid-19

Em alguns países ao redor do mundo, como no Brasil, já há recomendação ou exigência de que as pessoas usem máscaras para cobrir boca e nariz em público.

Antes, a OMS dizia que não havia evidências suficientes para dizer que pessoas saudáveis ​​deveriam usar máscaras. O conselho da OMS era o de que as máscaras médicas fossem usadas por pessoas doentes e por quem cuida delas.

A médica epidemiologista Maria Van Kerkhove, especialista técnica da OMS, disse à Reuters que a recomendação é que as pessoas usem uma "máscara de tecido - ou seja, uma máscara não médica" em áreas onde há risco de transmissão.

Globalmente, houve 6,7 milhões de casos confirmados de coronavírus e quase 400 mil mortes desde o início do surto no final do ano passado, segundo dados compilados pela Universidade Johns Hopkins.

Qual é a orientação da OMS?

A entidade disse que sua nova orientação foi motivada por estudos concluídos nas últimas semanas. "Estamos aconselhando os governos a encorajar o público em geral a usar uma máscara", disse Van Kerkhove.

Ao mesmo tempo, a OMS enfatizou que as máscaras faciais eram apenas uma das várias ferramentas que poderiam ser usadas para reduzir o risco de transmissão - e que não deveriam dar às pessoas uma falsa sensação de proteção.

"Máscaras por si só não vão te proteger da covid-19", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

'Grande mudança'

O editor de ciência da BBC, David Shukman, diz que se trata de uma grande mudança na orientação da OMS.

"Durante meses, os especialistas da organização mantiveram a linha que as máscaras encorajariam uma falsa sensação de segurança e privariam os profissionais médicos de equipamentos de proteção muito necessários."

Ele aponta que esses argumentos não desapareceram, mas que a OMS passou a reconhecer o surgimento de novas evidências a respeito dos riscos de transmissão.

"Portanto, onde o distanciamento não é possível, como em transportes públicos e em locais como lojas, sugere-se que os rostos sejam cobertos com máscaras caseiras para evitar a transmissão do coronavírus".

Pessoas com mais de 60 anos com doenças pré-existentes devem ir além, disse a OMS, e usar máscaras médicas para se protegerem melhor.

Brasil

No Brasil, o uso de máscaras já é parte de recomendações ou exigências de prefeituras e governos estaduais, como recurso de prevenção contra a covid-19.

Até esta sexta-feira (5), o Brasil registrava um total de 35.026 mortes e 645.771 casos de covid-19 desde a chegada do coronavírus ao país. Destes números, 1.005 mortes e 30.830 casos foram registrados apenas nas últimas 24 horas.

A divulgação dos dados sobre a covid-19 no país passou por contratempos e mudanças nesta semana, enquanto o número de mortes no país chegava a números recordes. Normalmente, os dados eram enviados à imprensa por volta das 19h. Na quarta-feira (3), foi enviada uma mensagem a jornalistas afirmando que, por "problemas técnicos", as informações seriam enviadas "excepcionalmente" às 22h.

Perguntado sobre alterações no horário de divulgação, Bolsonaro brincou com o horário do Jornal Nacional, da TV Globo, normalmente exibido por volta de 20h30. "Acabou matéria no Jornal Nacional?", disse, rindo.

Também houve alteração no tipo de dado informado à imprensa. Nesta sexta-feira, o boletim não trouxe mais números totais de mortes e casos de covid-19 — apenas dados para as últimas 24 horas.

Bolsonaro disse que pode retirar o Brasil da OMS se continuar na instituição o que ele chamou de "viés ideológico". Bolsonaro, que inicialmente disse que o vírus era uma "gripezinha", criticou as políticas de bloqueio recomendadas pela agência para combater a propagação da doença.

"O Trump cortou a grana deles, voltaram atrás em tudo. E adianto aqui: os Estados Unidos saíram da OMS, a gente estuda no futuro. Ou a OMS trabalha sem o viés ideológico, ou nós vamos estar fora também. Não precisamos de gente de fora dar palpite na saúde aqui dentro", afirmou Bolsonaro.

Leia também: OMS atualiza orientação sobre o uso das máscaras faciais

Na semana passada, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou o "término da relação" do país com a OMS em plena pandemia de coronavírus. "A partir de hoje encerraremos nossa relação com a Organização Mundial da Saúde e redirecionaremos estas verbas para outras necessidades globais, urgentes e merecedoras na saúde", afirmou o republicano, sem detalhar como tal rompimento seria feito.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree