-->

E-mails comprovam que Paulo Preto pediu cartões em nome de Aloysio Nunes

28 Fevereiro 2019

Marcelo Camargo/Agência Brasil - 9.2.18
Aloysio Nunes foi alvo de mandados de busca e apreensão
na Operação Lava Jato na semana passada

Documentos obtidos pelos investigadores da Operação Lava Jato por meio de cooperação internacional com autoridades da Suíça comprovam que o ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, solicitou cartões em nome do senador e ex-ministro Aloysio Nunes (PSDB). As informações fizeram com que o tucano se tornasse alvo de , na semana passada, em São Paulo.

O teor de e-mails trocados por funcionários do banco suíço Bordier & Cie foi revelado nesta quinta-feira (28) pelo jornal O Estado de São Paulo. Os documentos atestam que Paulo Preto encomendou a entrega de cartão carregado com 10 mil euros para Aloysio Nunes, mas com a orientação de que ele não deveria indicar seu nome.

O envio do cartão ocorreu em 2007, quando Aloysio era chefe da Casa Civil do governo José Serra (PSDB) em São Paulo. Segundo os e-mails, a entrega do cartão foi efetuada no hotel Majestic, em Barcelona, na Espanha. "Confirmo que entregamos um cartão ao Sr. Aloisio Nunes Ferreira em 20.12.2007 e que o creditamos com Eur 10’000. – de acordo com o pedido do gestor pelo conta 13’606-978”, aponta o documento.

A conta mencionada nos e-mails foi aberta no banco de Genebra em nome da offshore Groupe Nantes, controlada pelo ex-diretor da Dersa, que é suspeito de operar propina para agentes do PSDB com recursos desviados de contratos com empreiteiras como a Odebrecht e a Camargo Corrêa.

A força-tarefa da Lava Jato em Curitiba já reportou à Justiça Federal em Curitiba que o banco emitiu 11 cartões, entre os anos de 2007 e 2016, em nome de Aloysio, do ex-diretor da Dersa e de Ruth Arana de Souza, ex-mulher de Paulo Preto.

O Ministério Público Federal pediu autorização para cobrar esclarecimentos dos investigados a respeito da emissão dos cartões, o que foi autorizado nessa quarta-feira (27) pela juíza Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal de Curitiba.

A magistrada deu prazo de cinco dias para as defesas se manifestarem. "Para abreviar a questão e considerando que a providência não acarretará prejuízo algum aos investigados e seus defensores, intimem-se as Defesas para que apresentem os esclarecimentos solicitados pelo MPF. Prazo de 5 dias", escreveu Hardt.

Na semana passada, quando foi deflagrada a operação que culminou na prisão preventiva de Paulo Preto, Aloysio Nunes negou que tenha praticado atos que pudessem "comprometer a lisura" de sua conduta. "Não tenho, em minha consciência, o que possa comprometer a lisura que sempre mantive com o padrão de minha conduta", disse o tucano ao ao governador paulista, João Doria (PSDB).

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree