-->

Cariocas e turistas ignoram restrições nas praias e em pontos turísticos do Rio

13 Setembro 2020

Cléber Júnior/Agência O Globo
No feriadão de 7 de setembro, as praias da Zona Sul do Rio também ficaram tomadas de banhistas, que não respeitavam as regras de distanciamento

RIO

- O domingo de inverno em plena pandemia parecia mais um típico dia de verão. Os termômetros chegaram a marcar 36 graus, e as areias cariocas ficaram lotadas. Tomar banho de sol ainda não está permitido, mas muitos banhistas desrespeitaram a determinação.

Na Zona Sul, diversas pessoas ainda aproveitaram o fim de semana para jogar vôlei. A prática de esportes coletivos, no entanto, só está liberada em dias úteis.

Do Leme ao Recreio, cariocas curtiram o dia de sol sem máscara. A cozinheira Márcia Cristina, de 52 anos, justificou:

— Viemos hoje para espairecer, depois de tanto tempo em casa. Estou com a máscara guardada porque confesso que é complicado usar na praia... ou fica suada por causa do calor, ou molhada se entrar no mar!

A digitadora Ane Caroline, de 31 anos, decidiu levar os filhos após ver, pelas redes sociais, que outros amigos tinham feito a mesma coisa:

— Achei a praia bastante movimentada. Parece até um dia normal. Acho que só não está tão cheio porque os guardas não estão deixando estacionar na orla.

O comerciante Eric Jota, de 49 anos, ao contrário, afirmou que tem frequentado a praia em quase todos os fins de semana, na companhia da esposa.

— Quando completaram três meses de quarentena, a gente voltou a vir. Mas tomamos cuidado, procurando ficar distante das outras pessoas.

A vendedora Darcilene Costa, de 37 anos, resolveu aproveitar o dia com mais quatro pessoas, incluindo o filho pequeno. O grupo chegou às 8h e pretendia ir embora por volta de 12h. Para proporcionar maior conforto, levaram guarda-sol e um cooler com bebidas.

— A gente só não veio no último fim de semana porque vimos na televisão que estava lotado, devido ao feriado.

No Arpoador, o número de guarda-sóis na areia era praticamente incontável. A venda de bebidas alcoólicas também ocorria naturalmente, como se não fosse proibido.

Proibição de estacionar na orla

Após ter autorizado o estacionamento na orla, a Prefeitura do Rio voltou atrás esta semana e determinou que os carros não podem parar no local aos sábados, domingos e feriados.

Diversas equipes de fiscalização estavam nas ruas, e muitos veículos foram multados e rebocados. Outra consequência da nova regra foi o engarrafamento nas ruas internas dos bairros. Enquanto os motoristas procuravam vagas, o trânsito ficou lento na região.

Pontos turísticos lotados

Na manhã deste domingo, a fila para entrar no Forte de Copacabana estava enorme. O ponto turístico, que antes não tinha máximo de visitantes, passou a limitar a entrada de 450 pessoas por vez. Com o marco atingido, era preciso esperar que alguns saíssem para outros entrarem.

Por isso, a administradora Tainá Queiroz, de 23 anos, aguardava mais de uma hora e meia para entrar com o namorado. Os planos eram tomar café da manhã na Confeitaria Colombo, visitar o monumento histórico e depois partir para o Corcovado.

— A gente chegou 10h30, mas, com toda essa demora, estamos achando que só vai dar tempo de tirar algumas fotos e ir embora pro Cristo Redentor. Compramos o ticket pela internet com hora marcada para entrar lá — contou.

A engenheira Viviane Siqueira, de 32 anos, também enfrentou longa espera. Ela levou alguns amigos de São Paulo para tomarem café na tradicional confeitaria carioca. Apesar disso, não estava disposta a aguardar muito mais:

— Se não entrarmos em meia hora, vamos embora!

A carioca e confeiteira Mayara de Lima, de 26 anos, também ficou surpresa com a fila:

— Resolvi vir com meu namorado porque não conhecia o local, mas nem entendi porque está tão cheio!

O movimento no Corcovado também foi intenso. Segundo a analista administrativa Lucilene Souza, de 28 anos, que visitou o ponto turístico pela primeira vez, muitas pessoas desrespeitaram as determinações de distanciamento:

— Aproveitamos que estava com promoção comprando o ingresso pela internet para vir. Mas achei que está muito cheio! É tanta gente que é até difícil ficar distante.

O atendente de balcão Lucas André Paz, de 24 anos, concordou. O gaúcho aproveitou o fim de semana para conhecer o Rio de Janeiro com a namorada e ficou assustado com o volume de visitantes no Cristo.

— Na hora de tirar fotos, todo mundo tira máscara. Está mega lotado! Primeira vez que a gente veio e eu não achava que estaria assim

Já a movimentação no Pão de Açúcar foi menor que no último fim de semana. Segundo funcionários, o pico de visitação ocorreu logo pela manhã, na hora de abertura. Às 13h, quando a reportagem passou pelo local, já não havia mais filas.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree