Mais de 300 tartarugas são encontradas mortas em redes de pesca no México

30 Agosto 2018

iG São Paulo

Segundo testemunhas locais, as tartarugas estavam flutuando sob as águas há aproximadamente oito dias; autoridades destacaram que a captura desses animais é proibida desde 1990 e pode implicar em sanções
penais

Aproximadamente 303 tartarugas marinhas mortas foram encontradas flutuando na costa de Oxaca%2C no sul do México

Aproximadamente 303 tartarugas marinhas mortas foram encontradas flutuando na costa de Oxaca%2C no sul do México

Foto: Reprodução/Twitter PROFERA

Mais de 300 tartarugas marinhas ameaçadas de extinção ​​foram encontradas mortas, presas em redes de pesca ilegais na costa mexicana. À Fox News, a Procuradoria Federal de Proteção Ambiental do México (Profepa) informou que os animais, já em estado de decomposição, estavam emredes de pescausadas para capturar camarões e atum, na costa de Oxaca, sul do México.

Leia também:Golfinho e pinguins abandonados em aquário há meses geram protestos no Japão

Segundo testemunhas locais, as tartarugas marinhasestavam flutuando sob as águas há aproximadamente oito dias. A Profera comunicou que, atualmente, está trabalhando junto à Marinha Mexicana, Centro Mexicano de Tartarugas, Universidade do Mar, além de pescadores, a fim de investigar a causa das mortes, até então desconhecida.

Órgãos ambientais suspeitam que as tartarugas-oliva, menor espécie do grupo, podem ter morrido por ficarem presas nas redes de pesca, que geralmente são colocadas às margens dos rios por pescadores ribeirinhos.

Classificadas pelo World Wildlife Fund como uma das espécies em extinção, as tartaguras foram retiradas da água por autoridades e enterradas em poços próximos da comunidade costeira de Barra de Colotepec.

Leia também:Tubarão-branco é encontrado morto com pele avermelhada e chumbo dentro do corpo

Tartarugas marinhas e outros animais foram achados mortos em santuário

Autoridades retiraram as tartarugas marinhas das águas e as enterram em dois poços na costeira de Barra de Colotepec

Autoridades retiraram as tartarugas marinhas das águas e as enterram em dois poços na costeira de Barra de Colotepec

Foto: Reprodução/Twitter PROFERA

As tartarugas-oliva, que ganharam esse nome devido ao tom esverdeado de seu casco, são consideradas uma das espécies mais vulneráveis e que podem ser extintas em breve.Isso se deve ao fato de se aninharem em grandes quantidades, em ambientes específicos e, por isso, quando há qualquer tipo de perturbação nessa área, a população inteira é afetada.

A União Internacional para a Conservação da Natureza e Recursos Naturais afirmou que, mesmo que a captura de tartarugas seja ilegal desde 1990, casos semelhantes já ocorreram recentemente, com a morte de 100 tartarugas em um santuário selvagem, na costa do Pacífico, do estado de Chiapas.

Leia também:Aquecimento global deixará milhões com deficiência de nutrientes, diz estudo

As autoridades descobriram que 102 tartarugas-oliva, seis tartaruga-de-pente e cinco pertencentes a espécie tartarugas-verde foram achadas mortas no Santuário de Playas entre 24 de julho e 13 de agosto.

Depois disso, foram realizados testes nas águas e um estudo do cadáver dos animais para desvendar o motivo das mortes. “Desconfiamos que as tartarugas marinhas podem ter morrido por asfixia ou por conta do consumo de algas nocivas”, expuseram. Vale mencionar que o México tem um programa permanente para proteger os répteis e aplica sanções penais para quem os matar.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree