Imprimir esta página
-->

Físicos conseguem 'segurar' átomo individual pela primeira vez

21 Fevereiro 2020

Qual foi a menor coisa que você teve em suas mãos? Seja qual for a resposta, com certeza o objeto vai ser maior do que o que físicos da Universidade de

Otago, na Nova Zelândia, conseguiram "segurar". Utilizando um sistema complexo de lasers, espelhos, microscópios e uma câmara de vácuo, o grupo conseguiu, pela primeira vez, agarrar um átomo individual.

A conquista marca uma nova era na física quântica, onde apenas se imaginavam o mundo atômico. Isso vai permitir testar toda a teorização de maneira prática. "Nosso método envolve a captura e o resfriamento individual de três átomos a uma temperatura de cerca de um milionésimo de Kelvin usando feixes de laser altamente focados em uma câmera de vácuo", explicou o professor Mikkel F. Andersen.

O uso de três átomos não é por acaso. Uma vez que eles se aproximam, dois se juntam para formar uma molécula. Dessa forma, o terceiro fica livre para ser estudado. "Nosso trabalho chegou a vários resultados surpreendentes que não eram esperados em medições anteriores em grandes nuvens de átomos", acrescentou Marvin Weyland, líder do experimento.

Reprodução

Uma das surpresas foi o tempo que demorou para que os átomos formassem a molécula. Por meio de cálculos teóricos, era esperado que a combinação acontecesse muito antes. Essa diferença pode ter grandes implicações nas teorias, que vão precisar ser ajustadas para se tornarem mais precisas.

Porém, o maior impacto do experimento pode acontecer na computação quântica. A pesquisa pode tornar possível o projeto e manipulação da tecnologia em nível atômico, o que permite uma engenharia em uma escala menor que a nanoescala atual.

"A pesquisa sobre a capacidade de construir em escala cada vez menor impulsionou uma grande parte do desenvolvimento tecnológico nas últimas décadas. Essa é a única razão pela qual os celulares de hoje têm mais poder computacional do que os supercomputadores da década de 1980", afirmou Andersen. "Nossa pesquisa tenta pavimentar o caminho para poder construir na menor escala possível e estou emocionado ao ver como nossas descobertas influenciarão os avanços tecnológicos no futuro", concluiu.

Via: MNN

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree