-->

Velocidade de mutação do novo coronavírus é lenta, aponta estudo

25 Março 2020

Um novo estudo de pesquisadores italianos aponta que o novo coronavírus, agente causador da Covid-19, sofre mutações em uma velocidade "relativamente baixa".

Segundo informações do TechCrunch, o experimento foi conduzido por dois

grupos de cientistas. Um deles relacionado ao Instituto Nacional de Doenças Infecciosas Lazzaro Spallanzani; e o outro ligado ao Departamento de Ciências Biomédicas e Saúde Pública do Hospital Universitário de Ancona.

Os pesquisadores fizeram o sequenciamento genético de amostras do vírus retirados de pacientes italianos. Em seguida, compararam o resultado com os genomas sequenciados de organismos coletados há dois meses de pacientes de Wuhan, cidade chinesa considerada o primeiro epicentro da Covid-19.

Foram identificadas cinco variantes genéticas. De acordo com o estudo, isso é uma indicação preliminar que o genoma do novo coronavírus se manteve, em grande parte, estável durante o percurso de transmissão em diferentes locais e populações. 

Além disso, a reportagem cita que o estudo italiano apresenta resultados iniciais semelhante com trabalhos da Universidade de Medicina de John Hopkins e outras instituições de pesquisa no mundo.

Por que isso é importante?

As informações a respeito da mutação do novo coronavírus são especialmente relevantes para o desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19.

Isso porque as vacinas correspondem a injeções de vírus atenuados (ou seu código genético no caso da tecnologia gênica) no corpo do paciente, com o objetivo de informar ao organismo as características do vírus aplicado. Dessa forma, o sistema imunológico humano desenvolve anticorpos adequados para bloquear a ação dos agentes infecciosos.

Quando um vírus apresenta mutações, no entanto, ele é capaz de desenvolver novas características. Os anticorpos produzidos pelo organismo humano anteriormente podem não ser mais adequados para neutralizar o vírus, invalidando a imunidade proporcionada pela vacina.

É o que acontece com a gripe, por exemplo. Por conta da mutação constante do vírus, todos os anos é recomendado que pessoas acima de 60 anos recebam a dose de uma nova vacina contra a doença.

Apesar dos resultados animadores, o estudo italiano não vai antecipar uma solução para a vacina contra a Covid-19, que deve demorar de 12 a 18 meses. Isso porque, para aprovar uma vacina adequada, são necessários amplos testes clínicos.

Fonte: TechCrunch


Em breve novidade aqui!!!

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree