Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com
Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com

Cadastre itens de Notas Fiscais eletrônicas com poucos cliques direto para seu estoque

 

Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com
  • Sistemas: Video Locadoras

  • Restaurantes

  • Lanchonetes

  • Passagens

  • Hotelaria

  • Frotas & Fretes

Tributação das Empresas

Tributação das empresas: qual a forma mais vantajosa?

Todos os anos as empresas têm de tomar uma importante decisão: qual a melhor forma de tributação? Lucro real, lucro resumido ou Simples Nacional? Afinal, com a elevada carga tributária do País, o planejamento tributário torna-se um instrumento essencial para a redução de custos das empresas.

Em um primeiro momento, a tributação unificada, como é o caso Simples Nacional, pode parecer mais vantajosa. Entretanto, aplicando a uma situação concreta, outras formas de tributação podem ser mais atraentes.
Como a legislação não permite mudanças de sistemática durante o ano, a opção por uma das modalidades é definitiva e afetará a tributação da empresa durante todo o ano.

Eleição da forma mais vantajosa

De acordo com as formas de tributação vigentes, lucro real, lucro presumido e Simples Nacional, cabe à empresa, de acordo com suas particularidades, verificar qual das opções apresenta menor carga tributária.

Lucro real


De uma forma geral, para as empresas que possuem despesas facilmente dedutíveis, a apuração do lucro real pode ser uma opção vantajosa porque poderá suspender ou reduzir o pagamento de impostos como IRPJ e CSL - quando os balancetes apontarem lucro real menor que o estimado, no caso de recolhimento mensal. Outra vantagem é que o prejuízo no próprio ano pode ser compensado integralmente com lucros do exercício.

Lucro presumido

Já o lucro presumido pode ser uma forma econômica para empresas com margens de lucratividade superior à presumida, que varia de 1,6 % a 32% do faturamento, dependendo da atividade. Há também algumas relativas às obrigações acessórias, pois o Fisco federal dispensa as empresas enquadradas nesse regime de escrituração contábil, desde que seja mantido o livro caixa.

Outro aspecto importante, que deve ser levado em consideração na opção do contribuinte, refere-se à contribuição para o PIS/ Pasep e a Cofins. A escolha entre o lucro real e presumido deve levar em conta essas contribuições, pois no lucro presumido, o regime é cumulativo, a alíquota do PIS é 0,65% e da Cofins 3% sobre a receia bruta. Já no lucro real, o regime é não cumulativo, entretanto as alíquotas são mais elevadas (PIS 1,65 % e para Cofins 7,6%), mas há direito à deduções do valor a pagar por meio de créditos previstos na legislação.

Simples nacional

Primeiro é preciso verificar se a empresa pode optar por esse regime unificado de recolhimento de tributos. Em síntese, não pode exercer atividades vedadas pela legislação e o faturamento anual não pode ultrapassar R$3,6 milhões.

Feita essa análise inicial, é preciso levar em consideração que esse regime não transfere crédito de IPI, o crédito correspondente ao ICMS é limitado ao efetivamente devido pela ME ou EPP e as receitas sujeitas ao regime de substituição tributária não estão incluídas no Simples Nacional, pois os tributos devidos (ICMS, IS etc.) já foram recolhidos.

Outro ponto a ser destacado é que as alíquotas do Simples Nacional são progressivas (variam de 4% a 22,9% sobre a receita bruta) e em algumas atividades de prestação de serviços, a contribuição previdenciária patronal não está incluída no recolhimento unificado, o que muitas vezes acaba inviabilizando a opção dessas atividades ao sistema.

Dessa forma, os prestadores de serviços devem ficar atentos, pois, dependendo do tipo do serviço, a tributação sobre o lucro presumido pode ser mais vantajosa.

Conclusão

O cumprimento das obrigações acessórias que norteiam a forma de tributação escolhida deve ser levado em consideração, pois têm custo para a empresa, e sua redução implica menos encargos para o contribuinte. Exemplo: manter escrituração contábil, entregar declarações mais detalhadas ao Fisco, despesas com pessoal, com contador etc.

Portanto, a escolha da forma de tributação não é tarefa simples. O contribuinte, com o auxílio de um profissional, considerando particularidades, meios de operação, receitas e despesas, tipo de atividade que desenvolve e porte, deverá efetuar simulações para conferir qual o melhor sistema.

FONTE:REVISTA FECOMERCIO


Sistema S.A.C

Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com
image

Vantagens Sistema Gestão

A IMPORTÂNCIA DE SE TER UM SISTEMA NO PONTO DE VENDA É importante ter um sistema no ponto de venda, mesmo que seja um pequeno comércio. O sistema ERP está…

img

Tributação das Empresas

Tributação das Empresas

Tributação das Empresas

Tributação das empresas: qual a forma mais vantajosa? Todos os anos as empresas têm de tomar...

10 January 2011 Leia mais...
Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com

Automação Comercial

Benefícios Automação Comercial

Benefícios Automação Comercial

Automação comercial: uma questão de adaptação ao mercado e um investimento fundamental no varejo...

25 January 2011 Leia mais...
Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com

Nota Fiscal gaúcha

Nota Fiscal Gaúcha

Nota Fiscal Gaúcha

O que é o Programa NFG? Nota Fiscal Gaúcha é um programa que, por meio da distribuição de prêmios,...

25 January 2011 Leia mais...
Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com

Vantagens Sistema Gestão

Vantagens Sistema Gestão

Vantagens Sistema Gestão

A IMPORTÂNCIA DE SE TER UM SISTEMA NO PONTO DE VENDA É importante ter um sistema no ponto...

25 January 2011 Leia mais...
Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com