Programa de bolsas de pesquisa busca integrar cientistas ucranianas à comunidade acadêmica do Paraná

Interessadas devem apresentar proposta de projeto de pesquisa. Iniciativa do governo do estado é destinada apenas a mulheres, já que homens estão proibidos de deixar a Ucrânia. Pesquisadoras selecionadas receberão bolsa de R$ 10 mil Getty Images via BBC O Governo do Paraná lançou nesta sexta-feira (18) o Programa de Acolhida a Cientistas Ucranianas, por meio da Fundação Araucária e da Superintendência Geral da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti). A iniciativa vai acolher e integrar na comunidade paranaense cientistas do país europeu, que está em guerra com a Rússia há quase um mês. O programa pretende recrutar cientistas das universidades ucranianas para desenvolver suas pesquisas nas universidades sediadas no Paraná por um período de até dois anos, em um primeiro momento. Acesse aqui o formulário de inscrição A Fundação Araucária explica que a ação atenderá apenas mulheres, já que ucranianos estão impedidos de deixar o país. A expectativa do governo estadual é receber até 50 pesquisadoras que possuam Doutorado e que estejam ou estavam atuando nas universidades sediadas na Ucrânia para o desenvolvimento de projetos de pesquisa. As informações sobre o programa chegarão até as cientistas ucranianas por meio da Fundação Araucária, da Seti, Embaixada da Ucrânia no Brasil, Ministério de Relações Exteriores (Divisão de Temas Educacionais), Humanitas, universidades paranaenses, universidades parceiras das Instituições de Ensino Superior (especialmente as de países que fazem fronteira com a Ucrânia), Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), Associação Brasileira de Educação Internacional (FAUBAI), Ministério de Ciência e Educação da Ucrânia e Cáritas. Como se inscrever Interessadas devem encaminhar suas propostas em até duas laudas, em ucraniano, português ou inglês, contando a sua intenção de projeto. As propostas deverão explicitar a área, metas e objetivos. As candidatas também devem mandar um vídeo de até três minutos explicando o que gostariam de desenvolver. O vídeo pode ser gravado com o próprio celular, na horizontal, do busto para cima. A seleção será feita por representantes indicados das Pró-Reitorias de Pesquisa e Pós-Graduação das universidades sediadas no Paraná que estejam aptas a receber as pesquisadoras. A Fundação Araucária e a Seti assegurarão a política de acolhimento. LEIA MAIS: Refugiados ucranianos que saíram do país por causa da guerra chegam ao Paraná: 'Questão humanitária' Leia todas as notícias sobre a guerra na Ucrânia Auxílio financeiro As pesquisadoras receberão uma bolsa de R$ 10 mil, na categoria Professor - Visitante Especial (PVE). Além disso, as selecionadas receberão complemento de R$ 1 mil para cada dependente abaixo de 18 anos e/ou ascendente acima de 60 anos, tendo como limite máximo três complementos de R$ 1 mil a cada pesquisadora selecionada. A Fundação Araucária também deve bancar passagens aéreas de vinda ao Brasil e retorno à Ucrânia à pesquisadora e dependentes, quando houver. O governo do estado informou ainda que o programa Paraná Fala Idiomas oferecerá cursos gratuitos de Português como Língua Adicional a fim de auxiliar na inserção linguística e cultural das pesquisadoras e respectivos dependentes. Veja os vídeos mais acessados do g1 PR: Mais notícias do estado em g1 Paraná.

Programa de bolsas de pesquisa busca integrar cientistas ucranianas à comunidade acadêmica do Paraná

Interessadas devem apresentar proposta de projeto de pesquisa. Iniciativa do governo do estado é destinada apenas a mulheres, já que homens estão proibidos de deixar a Ucrânia. Pesquisadoras selecionadas receberão bolsa de R$ 10 mil Getty Images via BBC O Governo do Paraná lançou nesta sexta-feira (18) o Programa de Acolhida a Cientistas Ucranianas, por meio da Fundação Araucária e da Superintendência Geral da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti). A iniciativa vai acolher e integrar na comunidade paranaense cientistas do país europeu, que está em guerra com a Rússia há quase um mês. O programa pretende recrutar cientistas das universidades ucranianas para desenvolver suas pesquisas nas universidades sediadas no Paraná por um período de até dois anos, em um primeiro momento. Acesse aqui o formulário de inscrição A Fundação Araucária explica que a ação atenderá apenas mulheres, já que ucranianos estão impedidos de deixar o país. A expectativa do governo estadual é receber até 50 pesquisadoras que possuam Doutorado e que estejam ou estavam atuando nas universidades sediadas na Ucrânia para o desenvolvimento de projetos de pesquisa. As informações sobre o programa chegarão até as cientistas ucranianas por meio da Fundação Araucária, da Seti, Embaixada da Ucrânia no Brasil, Ministério de Relações Exteriores (Divisão de Temas Educacionais), Humanitas, universidades paranaenses, universidades parceiras das Instituições de Ensino Superior (especialmente as de países que fazem fronteira com a Ucrânia), Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), Associação Brasileira de Educação Internacional (FAUBAI), Ministério de Ciência e Educação da Ucrânia e Cáritas. Como se inscrever Interessadas devem encaminhar suas propostas em até duas laudas, em ucraniano, português ou inglês, contando a sua intenção de projeto. As propostas deverão explicitar a área, metas e objetivos. As candidatas também devem mandar um vídeo de até três minutos explicando o que gostariam de desenvolver. O vídeo pode ser gravado com o próprio celular, na horizontal, do busto para cima. A seleção será feita por representantes indicados das Pró-Reitorias de Pesquisa e Pós-Graduação das universidades sediadas no Paraná que estejam aptas a receber as pesquisadoras. A Fundação Araucária e a Seti assegurarão a política de acolhimento. LEIA MAIS: Refugiados ucranianos que saíram do país por causa da guerra chegam ao Paraná: 'Questão humanitária' Leia todas as notícias sobre a guerra na Ucrânia Auxílio financeiro As pesquisadoras receberão uma bolsa de R$ 10 mil, na categoria Professor - Visitante Especial (PVE). Além disso, as selecionadas receberão complemento de R$ 1 mil para cada dependente abaixo de 18 anos e/ou ascendente acima de 60 anos, tendo como limite máximo três complementos de R$ 1 mil a cada pesquisadora selecionada. A Fundação Araucária também deve bancar passagens aéreas de vinda ao Brasil e retorno à Ucrânia à pesquisadora e dependentes, quando houver. O governo do estado informou ainda que o programa Paraná Fala Idiomas oferecerá cursos gratuitos de Português como Língua Adicional a fim de auxiliar na inserção linguística e cultural das pesquisadoras e respectivos dependentes. Veja os vídeos mais acessados do g1 PR: Mais notícias do estado em g1 Paraná.