‘Nossa família está dilacerada’, diz filho de casal morto no Jardim Botânico

Felipe Coelho falou ao g1 sobre os pais e os definiu como o alicerce da família. Ele destacou que Geraldo Coelho, 73 anos, e Osélia Coelho, 72 anos, estavam felizes por visitar o filho no Rio de Janeiro.

‘Nossa família está dilacerada’, diz filho de casal morto no Jardim Botânico
Professor de inglês e influenciador digital Felipe Coelho define os pais como o alicerce da família — Foto: Felipe Coelho/ Arquivo pessoal

Rio de Janeiro – O professor de inglês e influenciador digital Felipe Coelho, filho do casal de idosos que foi morto a facadas em um apartamento no Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio de Janeiro, afirmou neste domingo (26) que a família está “dilacerada” com a morte de Geraldo Coelho, 73 anos, e Osélia Coelho, 72 anos. Ele os define como o alicerce da família.

“A nossa família inteira está dilacerada. Somos 3 filhos homens. Eles eram avós de 3 netinhos uma de 6, um de 11 e outra de 15”, contou Felipe ao g1.

Os dois foram mortos a golpes de faca momentos antes de Felipe chegar em casa. “Ambos tinham uma família grande com muitos irmãos e irmãs. Tenho muitas tias e tios e estão TODOS sem chão. Minha mãe era a alegria de todo ambiente que ela estava, brincalhona alto astral sempre. Meu pai era a tranquilidade em si. Era um casal muito muito amado por todos”, disse o professor.

O principal suspeito pelo assassinato, segundo a Polícia Civil, é o ex-namorado de Felipe, o oficial da Marinha, capitão de fragata, Cristiano Lacerda, de 49 anos.

De acordo com as investigações, os dois ainda moravam juntos no mesmo apartamento, apesar de já estarem em processo de separação. O motivo para o fim do relacionamento seria uma briga em que Cristiano teria agredido Felipe há 2 meses.

Na noite da última sexta (24), Cristiano teve uma crise de ciúmes porque Felipe saiu sozinho para uma festa em Ipanema, também na Zona Sul. Para se vingar, ele teria matado os pais do ex-namorado, que estavam na casa dos dois.

Cristiano chegou a ligar para Felipe pedindo para que ele voltasse para casa, alegando que a mãe dele estaria passando mal. Quando Felipe chegou em casa, os pais estavam mortos, deitados no sofá-cama do apartamento.

Felizes por estarem no Rio

Felipe conta que o clima durante a viagem da família era bom, que eles estavam felizes por voltar ao Rio de Janeiro – a família é de Fortaleza – e pelos passeios que todos estavam fazendo juntos. Geraldo e Osélia chegaram à cidade no dia 17 de junho.

As imagens dos passeios pela cidade mostram um casal alegre e sorridente em alguns dos pontos turísticos mais conhecidos da capital fluminense.

“Os dois eram muito, muito queridos por todos. Meu pai era tranquilo, humilde, um doce de pessoa e sempre disposto a nos ajudar em tudo. Ele estava todo feliz porque depois de muitos anos ele estava visitando o Rio novamente, e estava todo orgulhoso por estar dando a volta na Lagoa Rodrigo de Freitas inteira. Eu admirava muito meu pai, ele era meu exemplo de superação. Estava sóbrio há 40 anos depois de aderir ao AA [Alcoólicos Anônimos] por problemas com alcoolismo”, revelou o filho do casal.

A mesma alegria era compartilhada pela mãe. “Minha mãe estava super feliz também. Ficou feliz quando a levei no Cristo, e estava amando os passeios. Eu estava cuidando deles mas eles não paravam também de cuidar de mim”, Felipe fez questão de destacar.

Suspeito encontrado dopado

O suspeito pelo crime também foi encontrado pelos policiais no apartamento. Cristiano estava deitado, dopado e inconsciente, dentro do baú da cama box. Policiais também encontraram no apartamento remédios controlados e receitas em nome de Cristiano. Ele estava com um ferimento na mão.

Ele foi preso em flagrante e levado sob custódia para o Hospital Miguel Couto, na Gávea. Seu estado de saúde é estável.