Big Banner Hospedagem de Site 1360x150
Sexta, 11 Setembro 2020 14:55

Configuração de privacidade 'confunde' usuários, reconhece Google


Engenheiros do Google admitiram que, partes das configurações de privacidade de seus aplicativos podem ser confusas e muitas vezes até enganosas, tanto para eles quanto para os usuários. É o que constam documentos
relacionados a um inquérito movido pelo procurador-geral Mark Brnovich, no Arizona, em agosto. Segundo o procurador, os processos de coleta de dados da empresa violaram as leis de consumidores do estado. Os funcionários admitiram, no processo, que o design das configurações de acesso às restrições de privacidade são difíceis para os usuários e confundem os próprios engenheiros da empresa. Um e-mail de um funcionário não identificado reconhece que as opções de desativação da localização costumam incluir situações de exceção que não são mostradas com clareza ao usuário. ReproduçãoEngenheiros do Google admitem que empresa confunde os usuários nas configurações de privacidade e de localização. Imagem: Piotr Swat/ShutterstockDe acordo com o funcionário, a interface parece ter sido criada para dificultar as pessoas, assim, elas não têm conhecimento de que estão fornecendo seus dados.Já em 2018, foi revelado pela Associated Press, que os funcionários procuraram modificar a interface de configuração, para facilitar aos usuários o não compartilhamento da sua localização. Entretanto, os próprios engenheiros se mostraram consternados ao saber que o rastreamento estava ativado, mesmo quando a opção tivera sido desativada. Outros documentos revelaram que a política de privacidade foi elaborada para que o rastreamento de localização use informações de outros aplicativos da empresa que estejam com a opção ativada. Ou seja, o usuário desativa a opção de compartilhamento de sua localização, mas o Google utiliza as informações fornecidas por outro aplicativo que o usuário possa ter esquecido de desabilitar.JustiçaNão é a primeira vez que o Google passa por um processo judicial dessa natureza. Em março de 2019, a empresa recebeu uma multa de US$ 1,7 bilhão da União Europeia por violar leis antitruste. O bloco considerou ilegais as práticas de vendas de anúncios de pesquisa.Na época, a UE comunicou que a empresa abusou de seu domínio de mercado impondo uma série de cláusulas restritivas em contratos com outros sites, impedindo anúncios de buscas de concorrentes nesses domínios. Fonte: Bussines Insider
Ler 10 vezes

Atendimento ao Cliente:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Suporte ao Cliente:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Depto financeiro:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Publicidade & Propaganda: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Notícias

Vídeos

Guia Comercial

Nossa Empresa

Please publish modules in offcanvas position.