Quinta, 26 Novembro 2020 18:47

CBF vai alegar 'falha de áudio'. E evitar novo jogo do São Paulo

 
 
São Paulo: lutar para constatar a falha de áudio.Ou desistir de jogar contra o Ceará, de novo CBF

São Paulo, Brasil

Sim, só há uma maneira de evitar a desmoralização do VAR.

E impedir que o São Paulo consiga a anulação legal da partida contra o Ceará, por erro de direito.

Alegar que o juiz Wagner do Nascimento Magalhães não ouviu, a tempo, o segundo chamado confirmando o impedimento no gol de Pablo. E só por isso autorizou o reinício do jogo, confirmando o gol. E um segundo depois, o interrompendo novamente, para anular o tento.

A notícia publicada pelo UOL foi confirmada pelo blog.

Mas a diretoria do São Paulo não é tão ingênua assim, ao ponto de desperdiçar a chance de nova partida contra o Ceará, quando desperdiçou dois pontos fundamentais com o empate em 1 a 1.

Os dirigentes até aceitam a desculpa de 'falha técnica'.

Só que exigem ouvir o áudio entre o principal homem do VAR, o árbitro Carlos Eduardo Nunes Braga, e Wagner do Nascimento.

Ou ouvem ou entrarão com um pedido de anulação do jogo, alegando erro de direito, ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva.

Só que a Comissão de Arbitragem tem por norma não permitir que o áudio entre o VAR e os árbitros se tornem públicos.

Esse é o grande entrave.

A desculpa de falha do áudio, do microfone de Carlos Eduardo ou do fone de Wagner Nascimento seria perfeita.

Mas precisa ser provada.

Outros clubes já exigiram da CBF a quebra do sigilo de áudio entre o VAR e os juízes. Não tiveram seus pedidos levados a sério.

A situação é muito complicada.

Para a CBF, o ideal seria o São Paulo abrir mão do pedido de um novo jogo, aceitar a alegação de falha no áudio e não querer ouvir a conversa entre Wagner Nascimento e o VAR.

Só que o inseguro presidente Leco está sendo pressionado para o clube não abrir mão dos seus direitos.

Está em jogo a chance da conquista de mais três pontos no Brasileiro.

O clube tem oito anos de jejum sem títulos.

Ser passivo diante dessa situação seria inaceitável para os conselheiros.

 
Ler 33 vezes Última modificação em Quinta, 26 Novembro 2020 21:04

Atendimento ao Cliente:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Suporte ao Cliente:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Depto financeiro:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Publicidade & Propaganda: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Notícias

Vídeos

Guia Comercial

Nossa Empresa

Please publish modules in offcanvas position.