Big Banner Hospedagem de Site 1360x150
O Guia da Cidade

O Guia da Cidade

A modelo Eloísa Fontes recebeu alta do hospital psiquiátrico Instituto Municipal Phillipe Pinel, no Rio de Janeiro, na tarde da última quarta (28). Após 23 dias internada, desde que foi reencontrada desnorteada em uma favela do rio , a jovem embarcou com mãe para a sua cidade natal Piranhas, em Alagoas, onde deverá continuar o tratamento.
Os psicólogos e assistentes do programa Anjos da Paz, vinculado à Secretaria de Estado de Prevenção à Violência, vão auxiliar a família na orientação da dependente química. Um amigo da família disse que a modelo também deve ser tratada em um dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) do estado. Os moradores de Piranhas se organizam para ajudar a família da modelo, com poucas condições financeiras.
Eloísa deixou o hospital psiquiátrico Pinel na Zona Sul do Rio de Janeiro por volta das 17h desta quarta.

Fonte: iG

É um alerta da Associação Repórteres Sem Fronteiras (RSF), que classifica como um "retrocesso preocupante" a detenção e agressões a jornalistas, durante uma manifestação no sábado (24.10) em Luanda.

Polícia nas ruas de Luanda para conter manifestações contra o Governo

© Borralho Ndomba/DW

Polícia nas ruas de Luanda para conter manifestações contra o Governo
Em comunicado divulgado esta quinta-feira (29.10), a RSF apela às autoridades angolanas para que não recorram a métodos de predação da informação que remetam aos "dias sombrios da ditadura".

Mais de cem manifestantes, que protestavam no sábado por melhores condições de vida e pela realização das eleições autárquicas, foram detidos sob acusação de crimes de arruaça e dano de bens públicos, estando o julgamento a decorrer esta semana.

No decurso da manifestação, dois jornalistas, Suely Moreno e Carlos Tomé, um fotógrafo, Santos Samuesseca, e o motorista, Leonardo Franciso, todos da Rádio Essencial, foram detidos e presos "sem justa causa pela polícia", sendo apenas libertados na segunda-feira (26.10).

Segundo a RSF, foram igualmente detidos e soltos algumas horas depois dois jornalistas da TV Zimbo, dois fotógrafos da Agência France Press, Georges Nsimba e Osvaldo Silva, este último relatou cenas de "agressão policial" referindo que foram "forçados a apagar as imagens".

Uma mulher viveu momentos de desespero na tarde dessa quarta-feira (28) em Igarapé, Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Ela caminhava pelo Centro da cidade segurando a filha de oito meses no colo, quando sofreu uma tentativa de assalto à mão armada.

A cena foi registrada por câmeras de segurança instaladas no local. 

Fonte: EM/Cecília Emiliana

Um homem foi preso suspeito de maus-tratos contra uma cadela na terça-feira (27) em Piripiri, no Piauí. De acordo com a Polícia Militar, ele foi flagrado por vizinhos “estuprando” o animal. As informações são do G1.

Conforme a PM, os moradores tentaram impedir que o homem continuasse mantendo um ato sexual com o animal, mas ele reagiu e ameaçou as pessoas com uma faca. Em seguida, a polícia foi acionada.

A polícia apreendeu o facão e encaminhou o homem para a Delegacia Regional de Piripiri. A cadela foi resgatada por um grupo de protetores de animais e está recebendo cuidados. Ainda segundo o G1, o homem deve responder por crime de maus-tratos, já que o crime de estupro não está previsto para atos contra animais.

Fonte: Da Redação

SOROCABA - Inconformado com o furto de quentinhas do seu restaurante, um empresário amarrou um morador de rua na traseira de sua Hilux e o arrastou por cerca de um quilômetro pelas ruas de São Luiz, capital do Maranhão. Em seguida, deu ré e passou sobre o corpo da vítima, causando sua morte. O caso aconteceu no dia 17 de maio, mas o autor só foi preso nesta terça-feira, 27, em uma oficina mecânica, com o mesmo veículo usado para o crime.

Segundo o delegado Felipe César Mendonça, do Departamento de Proteção à Pessoa, o empresário teria decidido ‘fazer justiça com as próprias mãos’ depois que o morador de rua furtou marmitas de um de seus três restaurantes. O homem foi dominado por um vigilante e amarrado com uma corda à traseira da caminhonete. Em seguida, o empresário assumiu a direção e saiu pelas ruas arrastando a vítima pelo asfalto.

Já próximo da Avenida Beira Mar, o acusado engatou a marcha ré e passou sobre a vítima. Após se desvencilhar do corpo em frente ao Terminal de Integração da Praia Grande, o empresário fugiu. Conforme a polícia, o suspeito permaneceu alguns meses em São Paulo e foi preso ao retornar para São Luiz. Ele estava sendo procurado e foi localizado na oficina mecânica, onde recebeu voz de prisão. O vigilante também foi preso, acusado de cumplicidade no crime.

De acordo com o delegado, ao ser ouvido informalmente, o empresário admitiu o crime e tentou se justificar pelo fato de seu restaurante ter sido furtado várias vezes. Ao ser interrogado, porém, o homem permaneceu em silêncio. O acusado responderá por tortura e homicídio. “As imagens não deixam dúvida da autoria e de que se trata de um crime bárbaro e cruel, cometido com extrema frieza”, disse Mendonça.

Segundo ele, as pessoas que presenciaram a ação criminosa, inclusive o homem da banca de bebidas, podem ser indiciadas por omissão de socorro durante o andamento do inquérito que apura o caso. “Algumas pessoas viram aquela barbárie acontecendo a não denunciaram”, disse.

O empresário não teve o nome divulgado pela polícia, o que impediu a reportagem de ouvir sua defesa. A Secretaria da Segurança Pública do Maranhão informou, nesta quarta-feira, 29, que o acusado está preso no sistema prisional. “Por conta da lei, não se pode identificar o mesmo. Não podemos repassar imagens nem o nome”, disse.

Fonte:  Estadão/José Maria Tomazela

Em meio a pandemia do novo coronavírus, Cidades da região Centro-Oeste de Minas Gerais estão se preparando para o Dia de Finados. Celebrado no dia 02 de novembro, haverá restrições para o recebimento de visitas. Normas sanitárias deverão ser adotadas e em, Divinópolis, apenas quem se cadastrou terá acesso aos 11 cemitérios.

Os cemitérios serão preparados para receber os visitantes© Divulgação/Prefeitura de Divinópolis Os cemitérios serão preparados para receber os visitantes

O cadastramento poderá ser feito até às 17 horas desta quinta-feira (29) no Serviço Municipal do Luto. É obrigatória a apresentação do registro de propriedade do túmulo para efetivar o agendamento. Serão autorizadas 100 visitantes por hora, de 7h às 17h, sendo cinco por tumulo. Pessoas com idade acima de 60 anos tem preferência nos horários da manhã.
As normas foram estabelecidas pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa). “Apresentamos um protocolo para a secretaria responsável pelo serviço do luto e ele tem as regras de distanciamento, ocupação e cuidados que as pessoas devem ter”, explicou o secretário da pasta, Amarildo de Sousa. Os técnicos da saúde também realizaram o treinamento com os profissionais que atuarão no controle.
Para ter acesso aos cemitérios da cidade, o visitante terá que usar máscara e manter o distanciamento social das demais pessoas. Agentes de saúde darão apoio aos servidores do Luto, com aferimento de temperatura e aplicação de álcool-gel. Haverá também a ação de Fiscais de Posturas para coibir a venda de flores, velas ou qualquer outro tipo de produto nas imediações.
Para quem não se enquadrar nos protocolos estabelecidos, os cemitérios ficarão abertos no sábado (31) e domingo (01), das 08 às 17 horas, sem a necessidade de cadastramento. Bastará ao visitante observar apenas as regras relacionadas ao coronavírus.
No Cemitério da Paz, localizado no Centro, todos os protocolos de visita serão mantidos. Porém, a área interditada pela Defesa Civil em decorrência do desabamento de parte da estrutura na divisa com o imóvel ao lado, não será liberada para visitação. O desmoronamento foi registrado em janeiro deste ano. Os restos mortais continuam no terreno vizinho, ainda sem previsão para serem resgatados.
Mais flexíveis
Em outras cidades do Centro-Oeste as regras estão mais flexíveis. Sem a necessidade de cadastramento, o cemitério de Carmo do Cajuru funcionará das 07 horas às 17 horas. As missas serão permitidas apenas nas igrejas. Já em Nova Serrana e Santo Antônio do Monte os cultos religiosos estão autorizados. A orientação é para que os cuidados básicos sanitários sejam tomados.
A recomendação é a mesma para quem for visitar os cemitérios em Bom Despacho. O uso de máscara é obrigatório e deve ser mantido o distanciamento mínimo de dois metros. A Secretaria Municipal de Saúde pede para as visitas serem breves e para que a população dê preferência para o sábado (31) e domingo (01) que antecedem a data.
Totens de álcool em gel serão instalados nos cemitérios de Itapecerica. Não haverá restrições quanto ao número de pessoas por túmulo, entretanto será exigido o uso de máscaras. Já em Formiga, haverá controle de acesso. Também haverá disponibilização de álcool para assepsia das mãos.


*Amanda Quintiliano e Fernanda Barreto especial para o EM

Quando o Uber que ele tinha chamado foi para o destino errado, um professor levou sua reclamação às instâncias máximas — e aprendeu, assim, algo valioso sobre a ciência de se desculpar.

John List teve uma experiência ruim com a Uber e nunca recebeu um pedido de desculpas, então mostrou à empresa a melhor maneira de fazer isso© University of Chicago John List teve uma experiência ruim com a Uber e nunca recebeu um pedido de desculpas, então mostrou à empresa a melhor maneira de fazer isso
Em janeiro de 2017, John List faria um discurso de abertura em um prestigioso encontro de economistas. Pegou o celular e pediu um Uber para fazer a viagem de 30 minutos partindo de sua casa. Durante o trajeto, chegou a olhar pra fora quando o carro acelerava ao longo da Lake Shore Drive, nas margens do Lago Michigan, e avistou a cidade que se aproximava, com seu fabuloso horizonte de arranha-céus. Então abaixou a cabeça e voltou a trabalhar, no laptop, em sua palestra.

Cerca de 20 minutos depois, ele olhou para cima novamente, acreditando estar quase lá.

Ele estava de volta ao ponto de partida. Algo deu errado com o aplicativo, que instruiu a motorista a voltar para a casa do professor. Esta não queria incomodá-lo, pois ele estava muito concentrado em seu trabalho.

List estava compreensivelmente furioso. Mas o que o deixou mais indignado foi que a Uber nunca lhe enviou um pedido de desculpas.

Nem todo mundo que tem uma reclamação a fazer com a Uber tem acesso ao seu presidente-executivo, mas John List tinha, então ligou para Travis Kalanick naquela noite.

Kalanick ainda era o CEO da empresa; mais tarde, ele seria forçado a renunciar ao cargo devido à pressão dos acionistas após uma série de controvérsias sobre práticas da empresa, incluindo o tratamento de alegações de assédio sexual.

Depois que List contou a história e desabafou um pouco, Kalanick fez a seguinte pergunta: "Como o Uber deve se desculpar quando esse tipo de problema ocorre? Qual é a melhor maneira de manter os clientes leais, mesmo quando eles tiveram uma experiência horrível?"

Na verdade, são perguntas que toda empresa tem interesse em saber a resposta. E John List estava em uma posição singular para descobri-la.

Não são muitas as pessoas com a origem de John List que tornam acadêmicos de destaque. Ele cresceu em uma família da classe trabalhadora em Sun Prairie, a nordeste da capital de Wisconsin, Madison. Seu pai era motorista de caminhão e esperava que o filho entrasse no negócio da família.

Mas John tinha outras ideias. Seu sonho era se tornar um jogador de golfe profissional e, graças a uma bolsa de estudos para atletas do esporte ele conseguiu bancar a faculdade. Ali, descobriu duas coisas: primeiro, que ele não era tão bom no golfe como pensava e, segundo, que era fascinado por economia.

Ele agora faz parte do corpo docente de economia de uma das melhores universidades da América, a Universidade de Chicago.

Mas, há alguns anos, ele também tem feito um trabalho paralelo. Primeiro, porque a Uber o contratou para ser seu economista-chefe e, depois que ele deixou a empresa, ingressou em outro aplicativo de motoristas, o Lyft, no qual ocupa o cargo equivalente.

John List ligou para Travis Kalanick, que era o CEO da empresa© Reuters John List ligou para Travis Kalanick, que era o CEO da empresa
Sem dúvida, o trabalho é generosamente remunerado, mas para John List tem outro apelo: para os geeks de dados, os aplicativos de automóveis são como minas de ouro — só nos Estados Unidos, antes da pandemia, havia dois milhões de motoristas do Uber, fazendo dezenas de milhões de viagens por semana.

John List passou sua carreira estudando o comportamento econômico no mundo real, então trabalhar com a Uber "foi um sonho que se tornou realidade". Com essa abundância de informações, ele poderia analisar todos os tipos de preferências do consumidor: de que tipo de carro as pessoas gostam, a distância e o horário que costumam viajar, como reagiram a uma mudança no preço das tarifas. Ele também poderia aprender a melhor maneira de se desculpar.

Seu primeiro passo foi olhar o que aconteceu com usuários do aplicativo depois de uma viagem que demorou muito mais do que o aplicativo havia previsto inicialmente. O aplicativo pode prever, por exemplo, que uma viagem levaria nove minutos e acabar levando 23 minutos.

Ao analisar os números, ele e seus colaboradores descobriram que os passageiros que experimentaram uma viagem tão ruim gastam até 10% menos no Uber no futuro. Isso representa uma perda significativa de receita para o aplicativo.

O próximo passo foi apresentar uma variedade de pedidos de desculpas e testá-las aleatoriamente com aqueles que haviam passado por uma viagem dessas.

Acontece que existe uma espécie de ciência da desculpa. Cientistas sociais — psicólogos em particular — estudaram que tipos de desculpas funcionam. Mas John List tinha uma grande vantagem; ele realmente poderia medir o impacto.

"Notamos que sua viagem demorou mais do que prevíamos e sinceramente pedimos desculpas": é o que ele chama de um "pedido de desculpas básico".

Um pedido de desculpas mais sofisticado envolve a admissão de que a empresa errou. Outro tipo de pedido de desculpas envolve um compromisso, como "tentaremos garantir que isso não aconteça novamente."

Em nome da Uber, John List testou todos eles. Além do mais, com algumas dessas desculpas, a empresa ofereceu um desconto de US$ 5 (equivalente a R$ 28) na viagem seguinte. No experimento, também houve um grupo de clientes que não recebeu nenhum pedido de desculpas.

O resultado foi surpreendente. Sozinhas, as desculpas em qualquer forma se mostraram ineficazes. Mas um pedido de desculpas junto com o cupom de desconto manteve muitas pessoas leais. "Assim, acabamos trazendo milhões de dólares de volta ao aplacar os consumidores com um pedido de desculpas e um desconto."

O que os consumidores querem, ao que parece, é que uma empresa demonstre seu remorso ao aceitar uma perda financeira. Mas olhando mais a fundo nas estatísticas, List percebeu que até mesmo esse dispositivo deixava de funcionar se houvesse uma segunda ou terceira viagem muito ruim. Na verdade, um segundo ou terceiro pedido de desculpas parecia afastar ainda mais os clientes.

Essas informações são valiosas para a Uber e também para outras empresas.

Muitos economistas sentam em suas mesas e fazem previsões sobre a atividade econômica com base em modelos. O que torna John List um pouco incomum para um economista é que ele gosta de testar teorias no mundo real. Ele conduziu experimentos da Tanzânia à Nova Zelândia, da China a Bangladesh.

Os vastos conjuntos de dados digitais mantidos pelo Uber e outros aplicativos de automóveis permitiram que ele identificasse certas peculiaridades no comportamento humano que outros economistas podem não ter descoberto.

Por exemplo, quando você pede um Uber, você nunca sabe se terá um motorista do sexo masculino ou feminino, então você pode esperar que os motoristas do sexo masculino e feminino ganhem o mesmo. Mas, na verdade, os motoristas do sexo masculino ganham cerca de 7% a mais por hora do que as mulheres. Chocado com essa disparidade, List começou a tentar descobrir o motivo disso.

Ele encontrou várias explicações. Uma delas é que as mulheres tendem a ficar mais sobrecarregadas com as responsabilidades com os filhos, portanto, há menos motoristas mulheres disponíveis em horários lucrativos, como início da manhã e fim da tarde. Mas, de longe, o fator mais importante acaba sendo a velocidade: motoristas homens de Uber dirigem em média cerca de 2,5% mais rápido do que as mulheres que dirigem Uber, então eles fazem mais viagens por hora.

Motorista de táxi dormindo em cima de seu carro em Calcutá© Getty Images Motorista de táxi dormindo em cima de seu carro em Calcutá
Essa não é a única diferença relacionada a gênero.

Por achar que isso deixaria os motoristas do Uber mais felizes, List convenceu o conselho da empresa a adicionar uma função de gorjeta (colocar a Uber em linha com outros aplicativos de carro). E aí, pode estudar o comportamento de dar gorjetas.

Para cada US$ 4 que as mulheres dão de gorjeta, descobriu-se, os homens dão cerca de US$ 5. Além disso, as mulheres motoristas recebem mais gorjetas do que os homens — exceto quando essas mulheres têm 65 anos ou mais. Acho que podemos interpretar isso como mais uma evidência da superficialidade masculina.

O estudo do comportamento econômico por meio de dados de aplicativos de carros foi chamado de Ubernomics — embora a caixa de brinquedos de dados de John List agora seja entregue a ele pela empresa Lyft, não pela Uber — e ele continua a produzir uma série de resultados fascinantes.

Analisando o comportamento dos usuários da Lyft, ele calculou recentemente o poder do que chama de "efeito do dígito à esquerda". Cortar o preço de uma viagem de US$ 15,99 para US$ 15 tem praticamente o mesmo impacto na demanda do consumidor do que reduzi-la de US$ 15 para US$ 14,99.

Algumas das descobertas da Ubernomics, no entanto, não são surpreendentes. Os consumidores se preocupam com o preço: quanto menor o custo, maior a probabilidade de pedir um carro. Mas a análise de como usamos os aplicativos para carros também está revelando alguns dos preconceitos e idiossincrasias do comportamento econômico humano.

A propósito, se você decidir se tornar um motorista de Uber e achar que ser legal com o cliente terá um impacto significativo em sua receita, há más notícias. Receio que não. Mesmo quando os clientes avaliam um motorista 10% mais do que outro pela gentileza, diz John List, os dois recebem a mesma gorjeta.

© Reprodução/TV Tem/Veja SP Home morre ao ser jogado de viaduto em Bauru
Um homem cadeirante de 42 anos foi jogado de um viaduto no Rio Bauru, no centro de Bauru, no interior de São Paulo, e morreu. O caso aconteceu na manhã desta quinta-feira (29).

Testemunhas disseram à polícia que a vítima foi arremessada durante uma tentativa de assalto. O suspeito pelo crime, um homem de 37 anos, foi preso.

O homem que morreu chegou a ser resgatado pelo Corpo de Bombeiros, que tentou reanimação por meia hora. A Polícia Civil investiga o caso e a identidade da vítima ainda não foi divulgada.

Pesquisa realizada pela XP/Ipespe e divulgada nesta 5ª feira (29.out.2020) mostra o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), tecnicamente empatado com o deputado Celso Russomanno (Republicanos-SP) na corrida eleitoral pela prefeitura da capital paulista.

O deputado Celso Russomanno (Republicanos-SP) e o atual prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB); candidatos estão tecnicamente empatados© Reprodução/Facebook e Governo de São Paulo O deputado Celso Russomanno (Republicanos-SP) e o atual prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB); candidatos estão tecnicamente empatados
O atual prefeito aparece com 27% das intenções de voto. Russomanno tem 22%. Guilherme Boulos (Psol) aparece em seguida, com 16%, tecnicamente empatado com o deputado do Republicanos.

O levantamento foi realizado em 26 e 27 de outubro. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais. Eis os números:

O estudo ouviu 800 eleitores paulistanos. O número de identificação na Justiça Eleitoral é SP-06526/2020. Leia a íntegra (3 MB).

Russomanno teve oscilação negativa de 5 pontos percentuais em relação à pesquisa anterior da XP/Ipespe, realizada de 19 a 20 de outubro e divulgada em 22 de outubro. Boulos oscilou 4 pontos para cima no mesmo período.

2º turno:
O levantamento também indagou os eleitores sobre 6 possíveis cenários de 2º turno.

Cenário 1
Bruno Covas (PSDB) – 50%;
Celso Russomanno (Republicanos) – 37%;
branco/nulo/nenhum – 11%;
não sabe/não respondeu – 3%.
Cenário 2
Bruno Covas (PSDB) – 52%;
Guilherme Boulos (Psol) – 25%;
branco/nulo/nenhum – 20%;
não sabe/não respondeu – 3%.
Cenário 3
Bruno Covas (PSDB) – 51%;
Márcio França (PSB) – 29%;
branco/nulo/nenhum– 17%;
não sabe/não respondeu – 4%.
Cenário 4
Celso Russomanno (Republicanos) – 43%;
Guilherme Boulos (Psol)– 31%;
branco/nulo/nenhum– 23%;
não sabe/não respondeu – 3%.
Cenário 5
Celso Russomanno (Republicanos) – 39%;
Márcio França (PSB) – 35%;
branco/nulo/nenhum– 22%;
não sabe/não respondeu – 4%.
Cenário 6
Márcio França (PSB) – 37%;
Guilherme Boulos (Psol) – 29%;
branco/nulo/nenhum– 29%;
não sabe/não respondeu – 5%.
O Poder360 mantém 1 Agregador de Pesquisas Eleitorais, com dados divulgados por institutos de pesquisas desde o ano 2000. Esses dados estão abertos e livres para consulta. Se você tiver alguma pesquisa disponível e que não esteja em nossa base de dados, envie 1 e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Página 1 de 2

Atendimento ao Cliente:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Suporte ao Cliente:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Depto financeiro:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Publicidade & Propaganda: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Notícias

Vídeos

Guia Comercial

Nossa Empresa

Please publish modules in offcanvas position.