Quarta, 23 Setembro 2020 08:33

Jovem é queimado com água quente após discussão familiar e fica com lesões pelo corpo


David Souza relata o ataque sofrido pela irmã durante discussão por uma piscina de plástico. Com queimaduras de 2º e 3º graus, ele não tem prazo para alta. David
Souza, internado no HE de Macapá sem previsão de alta Rede Amazônica/Reprodução Queimaduras de 2º e 3º graus nas costas, cabeça e membros são traumas que vão permanecer por muito na rotina e na vida do jovem David Souza, de 26 anos, morador de Santana, na Região Metropolitana. Durante uma discussão acalorada dentro de casa por causa de uma piscina de plástico, ele diz que a irmã se revoltou e jogou contra ele uma panela com água e óleo quentes. Desde o fato, no fim da manhã de sexta-feira (18), ele está internado, primeiro no pronto socorro do município e depois no Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) no Hospital de Emergência (HE) de Macapá. O estado de saúde é estável, mas sem previsão de alta. Com o rosto e quase todo o corpo enfaixados, ele relata que além da violência física, sofreu xingamentos de cunho homofóbico durante a discussão. Isso tudo na presença do filho dele e de grande parte da família, que registrou queixa contra a agressora, de 30 anos. David Souza ficou com queimaduras de 2º e 3º graus pelo corpo Rede Amazônica/Reprodução "No começo fiquei desnorteado, com muita dor e só me joguei. Meus irmãos viram e ela puxou uma faca e começou a gritar que eu estava morto, que eu ia morrer. Eu não sabia o que pensar, o que dizer, não tinha reação", contou David, que recebeu a Rede Amazônica no HE. O jovem fez um relato sobre a ocorrência nas redes sociais e a postagem chamou a atenção, com centenas de comentários e compartilhamentos. Initial plugin text Mesmo com pedidos de familiares para preservar os filhos da agressora, a mãe de David, a Marlene Souza, disse que registrou boletim de ocorrência contra a filha. Ela confirmou também o temperamento agressivo, inclusive com outros conflitos dentro de casa. "Meu outro filho tem uma marca no ombro de uma tesourada. Não registrei por causa do meus netos, ela já responde a um crime por ter tentado matar o ex-marido. São decisões difíceis para a gente tomar, mas eu decidi, registrei, porque meu filho [David] vai ficar com marcas", contou Marlene, que o acompanha diariamente. Após a agressão, a irmã deixou a casa. A Rede Amazônica não conseguiu contato com ela. Marlene Souza, mãe de David, diz que prestou queixa contra a filha Rede Amazônica/Reprodução David vive em Florianópolis, em Santa Catarina, mas retornou para a casa da mãe em função da pandemia de Covid-19. Ele conta que a irmã sempre apresentou comportamento agressivo, mas que não esperava a violência extrema. "Nos alteramos e comecei a ofender. Nos aproximamos muito no momento do 'nervoso'. Meu irmão se aproximou e pediu para a gente parar. E diante disso, pegou uma panela que estava no fogo com frango, água, óleo, gordura e lançou contra mim, virou em cima de mim", relata. O jovem também busca justiça pelo caso e que pretende buscar seus direitos após a alta. No hospital, em tratamento, reclama das dores e das sequelas que poderão ficar no corpo e na mente. "O que mais me machuca é o psicológico, minha autoestima, eu não consigo dormir, eu não acredito que isso aconteceu comigo e que foi uma pessoa muito próxima, que cresceu comigo", lamenta. Veja o plantão de últimas notícias do G1 Amapá
Ler 55 vezes

Atendimento ao Cliente:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Suporte ao Cliente:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Depto financeiro:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Publicidade & Propaganda: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Notícias

Vídeos

Guia Comercial

Nossa Empresa

Please publish modules in offcanvas position.