Imprimir esta página
Terça, 22 Setembro 2020 18:28

Funcionários dos Correios no ES decidem voltar ao trabalho

, a greve dos Correios no Espírito Santo chegou ao fim e o retorno ao trabalho acontece a partir das 22h. A informação é do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de

Correios Prestadora de Serviços Postais, Telegráficos (Sintect-ES).

Em greve desde 18 de agosto, a categoria reivindicava reajuste salarial e manutenção das cláusulas do acordo coletivo. A decisão de voltar ao trabalho veio após a .

Nesta terça, o Sindicato dos Trabalhadores realizou uma assembleia para deliberar sobre a continuidade da paralisação no estado. Para o presidente do Sintect-ES, Antonio Braga, mesmo não conseguindo atingir o objetivo inicial de garantir todos as cláusulas do atual Acordo Coletivo da categoria, uma “grande vitória” foi conquistada.

“Fizemos uma assembleia de encerramento, apesar de não conseguir o objetivo que nós tínhamos, que era manter todas as cláusulas, mas conseguimos uma grande vitória, que é a mobilização da categoria e de vários parceiros. Essa campanha foi apenas um dos primeiros embates com esse governo, porque ele não vai parar na retirada dos direito, já que querem privatizar a empresa”, afirmou.

Porvir

  • Tribunal Superior do Trabalho — (Foto: Reprodução/Google Maps)
  • Tribunal Superior do Trabalho — (Foto: Divulgação/TST)

Com a decisão do TST, ficou acordado a aprovação de algumas cláusulas do acordo coletivo, incluindo um reajuste de 2,6% para os funcionários. A corte trabalhista decidiu que a greve não foi abusiva.

No entanto, o presidente do Sintect-ES mostra-se preocupado, já que, segundo ele, a categoria nem tinha pedido isso, o que, junto das demais decisões, torna a conclusão da greve negativa. “Com tudo que eles tiraram, acabou que ficou irrisório para o trabalhador. Nós nem estávamos esperando”.

A partir de agora, a categoria realizará uma avaliação dos próximos passos, que estão em andamento, entre elas tratativas relacionadas á privatização dos Correios.

Coronavírus

Além disso, entre as demandas e denúncias, estava a dificuldade para conseguir testes para e os obstáculos encontrados por pessoas do grupo de risco para pedir afastamento.

Isso, por sua vez, de acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios no estado, está sendo garantido, em parte, por meio de liminares, exceto em relação a testagem.

Segundo Braga, no âmbito fora da empresa, os trabalhadores se reuniram com o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, para que a categoria possa ser incluída em programas de vacinação. O Sindicato ainda não teve retorno.

“Nos reunimos com o Nésio para tentar ver o que eles podem fazer, porque o trabalhador dos Correios fica no limbo. Nós somos trabalhadores federais, mas ficamos invisíveis pro governo e município, e o governo federal não trata da gente quando tem uma campanha de vacinação, onde o trabalhador não pode entrar como funcionário publico”, contou.

Curtir isso:

Ler 50 vezes