Sábado, 12 Setembro 2020 06:00

Violência: a outra pandemia que Nova York está enfrentando

Avalie este item
(0 votos)
Violência é problema combatido por ONGs novaiorquinas Jason Szenes - EFE/EPA 07.06.2020

"Meu filho foi morto na minha frente em 5 de maio de 2010 por causa de uma discussão sobre um estacionamento." “Uma bala na nuca e ele se foi, aos 21 anos”. "Quando estava nas ruas, conhecia tudo o que havia de errado." São depoimentos de vítimas de violência e ex-membros de gangues de Nova York que agora compartilham o mesmo objetivo: acabar com os tiroteios que assolam as ruas da cidade.

Os números são alarmantes: até agosto deste ano, a polícia registrou 1.014 tiroteios, 87% a mais que os 541 registrados entre janeiro e agosto de 2019; além de 291 assassinatos, 34% a mais que os 217 perpetrados em Nova York nas mesmas datas do ano passado.

Vítimas da violência

Carolyn Dixon é uma afroamericana alta e enérgica de 64 anos que não hesita em compartilhar sua experiência com a violência em Nova York.

“Sou uma sobrevivente, meu filho foi assassinado na minha frente em 5 de maio de 2010 devido a uma discussão sobre um estacionamento”, garante à EFE com uma força que não parece ter apagado os anos ou a tragédia que viveu.

Em julho do ano passado, a vida a confrontou novamente com a realidade mais dura de Nova York, quando ela veio ajudar um homem que havia acabado de ser baleado e estava deitado na rua.

“Um homem foi baleado no meu bairro e minha única esperança era tentar salvá-lo. Foi um trauma para mim, como um reflexo, como um teste. Tudo o que eu conseguia pensar era no meu filho caído no chão e eu tinha que fazer algo para ajudá-lo. Ele foi baleado onze vezes, mas ainda sobreviveu", diz Dixon sobre a vítima, que está se recuperando bem e por motivos de segurança não está na cidade.

Da ONG que agora dirige, Dixon tenta falar aos jovens do bairro: "Para dizer a eles, você sabe, que toda vida negra importa".

O filho de Oressa Napper, outra afroamericana de meia-idade, foi pego em um tiroteio de gangues no Brooklyn quando estava visitando parentes: "Uma bala na nuca e ele foi embora, aos 21 anos".

“Não quero que nunca ninguém se sinta como eu, que outra família tenha que passar pelo que estou passando treze anos depois. Porque é um processo contínuo, pelo resto da sua vida. Não é algo de que você se recupere. Não é algo que você supera", diz Napper, que também foi levado pela perda a fundar uma ONG contra a violência, "Not another child" ("Outra criança, não", em tradução livre).

Para ela, lidar com jovens imersos na violência é caminhar em “terreno escorregadio”, pois enquanto há uns que querem fazer melhor, há outros “que procuram desculpas para fazer o que fazem”.

“Eu entendo que em grande parte eles são na maioria nossos homens, e nossos homens nasceram com duas marcas: o afroamericano e o homem. Nós nascemos com essas duas marcas que carregamos, mas você também tem opções, sabe?”, diz ela, perto de seu outro filho, que colabora com ela na ONG.

A violência nas ruas
undefined

No bairro de East New York, no leste do Brooklyn, não há muitas redes de cafeterias, restaurantes da moda ou lojas de estilistas que caracterizem as áreas mais ricas ou "hipster" desse distrito de Nova York. Passeando pela estação Van Siclen do metrô, no final da linha 3 do metrô, o que você vê são portões mais altos e mais portas e janelas protegidas com barras de aço.

Lá, o ex-integrante da gangue e agora assistente social da ONG "Man Up" ("Seja Homem", em tradução livre) Richie Dunham conta à EFE que entre 17 e 28 anos passava os dias nas ruas.

"Eu costumava fazer qualquer coisa para ganhar um dólar com, você sabe, todos os tipos de coisas ruins. Eu gostava de tudo que estava errado, se houvesse algo que não fosse bom lá eu estava, mas agora estou do lado positivo, antes era no outro”, diz Dunham, que agora usa toda aquela experiência para falar com jovens que, como ele então, passam o dia rondando muito perto dos problemas.

Uma ONG para aplacar a violência

O diretor de "Man Up", Andre T. Mitchell, passou 16 anos na prisão por um assassinato involuntário e, quando em 2003 um menino de 8 anos foi morto em seu bairro Daesean Hill, ele decidiu fazer algo para mudar o trágico destino. da área em que você mora.

Em uma das paredes da sede da "Man Up", há uma foto de Daesean Hill e um lema de A.T. que diz: "Ser um verdadeiro gangster significa saber como parar."

Para Mitchell, além da crise econômica causada pelo coronavírus e que afetou áreas mais deprimidas como o leste de Nova York, a retomada coincidiu com o verão, época preferida dos gangues para resolver seus problemas com balas.

“É sempre nesta época do ano, o verão, que o trabalho é mais intenso para nós, porque quando o sol nasce, as armas saem. E se os problemas não foram resolvidos e os conflitos não foram mediados, aí é isso, as pessoas se veem e vão contra as outras ”, enfatiza.

Violência: uma doença contagiosa

"Man Up" faz parte de uma rede de várias ONGs em Nova York que desde 2014 abordou a violência não como um problema de segurança, mas como uma questão de saúde, explica o especialista Charles Ransford, diretor de ciência e política da "Cure Violence” ("Cure a Violência"), a matriz desse movimento que tem projetos tanto nos Estados Unidos quanto na América Central ou países do Oriente Médio.

“Pessoas que se comportam de forma violenta, o que elas têm é um problema de saúde. É um problema de se exporem à violência. É um problema de saúde muito semelhante a outros problemas contagiosos”, explicou à EFE em conversa telemática.

Em bairros violentos, ele explica, problemas emocionais, vicissitudes econômicas, drogas ou qualquer outro tipo de desentendimento podem acabar levando a conflitos violentos.

“Para interromper esses conflitos, o que fazemos é colocar pessoas que tenham credibilidade, que sejam conhecidas na comunidade por sua influência, que possam ouvir esses problemas e que possam intervir e mediar”. Essas pessoas, como Richie Dunham ou Andre Mitchell, recebem treinamento e aprendem técnicas de mediação.

Covid-19 e os problemas da nova onda

Ransford está convencido de que o coronavírus e a crise econômica têm sido fatores determinantes para o aumento da violência.

“Se você não tem um emprego, se está estressado por dinheiro e estressado por doenças, então se algo violento acontece, é muito mais provável que você desça nessa espiral”, explica ele.

Justin Nix, professor de criminologia da Universidade de Nebraska, acredita que além desses problemas, pode haver um elemento de "oportunidade" que poderia estar ligado à crise de legitimidade enfrentada pela polícia em todo o país após o morte de George Floyd nas mãos de um policial branco em Minnesota em maio passado.

A polícia de Nova York acusa a classe política e atribui o pico da violência a outros fatores como o corte de US $ 1 bilhão em seu orçamento, a abolição da polícia que trabalha incógnita, a proibição do uso de certos tipos de imobilização considerados perigosos, a libertação de presos para evitar a propagação da covid-19 nas prisões ou a desaceleração do sistema judiciário devido ao vírus.

A diretora da prefeitura para a Prevenção da Violência Armada, Jessica Mofield, insiste à Efe que "a violência armada é apenas um sintoma de um problema maior de pobreza e desigualdade que as comunidades urbanas estão enfrentando atualmente, não apenas em Nova York, mas em todo o país. "

Um problema que, ele reconhece, atinge principalmente as minorias raciais e, sobretudo, as comunidades afro-americanas, mas também latino-americanas.

Mofield, responsável pela coordenação das 60 ONGs que atuam na cidade para conter a violência, destaca que as pessoas “que estão mais perto dos problemas também estão mais perto das soluções” e estima que cerca de 3 mil conflitos já são evitados por ano.

“Sem essas atividades de redução da escalada, quem sabe quantos mais incidentes de violência armada poderia haver, se você não tivesse todos aqueles homens e mulheres que se preocupam com o bem-estar de suas comunidades e que querem vê-los saudáveis ​​e vibrantes? Acreditamos que haveria milhares de tiroteios", conclui.

Ler 17 vezes

Atendimento ao Cliente:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Suporte ao Cliente:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Depto financeiro:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Publicidade & Propaganda: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Notícias

Vídeos

Guia Comercial

Nossa Empresa

Please publish modules in offcanvas position.