De quem é citação usada por Barack Obama no tuíte mais curtido da história do Twitter?

Segunda, 28 Novembro 2016 23:26

Para pagar faculdade, pintor muda de ramo e abre empresa em Ji-Paraná

, cidade localizada cerca de 380 quilômetros de . Aos 18 anos, montou uma empresa de revestimento em gesso, função que até então, servia apenas como um hobby.

O microempreendedor

contou ao G1 que gostava de acompanhar construções e às vezes até ajudava os trabalhadores. "Eu vivia em obras, ficava observando tudo que era feito. Para mim era um modo de aprender e eu fazia de tudo para ajudar, carregava baldes, tijolos e carriola. Enquanto os outros meninos iam jogar bola, eu ficava em obras. Esse hobby me fez escolher o curso de engenharia civil", disse o jovem.

Pais de Gulherme ajudaram em investimento e
hoje jovem quer expandir negócio
(Foto: Marco Bernardi/G1)

Guilherme conta que a paixão pela construção começou aos 12 anos de idade, quando, escondido da avó, o jovem pintou um apartamento no prédio onde mora após a pessoa contratada parar o serviço e não comparecer.

"Minha avó tinha contratado um pintor para trabalhar em um apartamento do prédio, aí passou uma semana e ele não foi. Então, em uma noite, eu fui escondido para o apartamento e comecei a pintar. No começo ela ficou brava, falando que eu tinha estragado a tinta, mas depois que eu terminei ela viu que ficou bom", lembra.

Cinco anos depois, Guilherme já estava conhecido como pintor e decidiu largar o ramo de pintura para investir na nova profissão, que conheceu em uma das obras que ajudou a fazer. O rapaz conta que teve que esperar completar a maioridade para registrar a empresa e se registrar como Micro Empreendedor Individual (MEI). O alto valor do investimento assustou os pais.

Para eles, era arriscado, mas hoje estão felizes por eu estar realizado"
Guilherme, microempreendedor

"No começo eles [pais] ficaram com medo, por que eu estava estabilizado na profissão em que eu estava e iria começar uma nova carreira com um investimento inicial muito alto. Para eles, era arriscado, mas hoje estão felizes por eu estar realizado. Sempre quis deixar de ser empregado e ter a chance de dar emprego", diz o jovem.

O investimento, de quase dez mil reais para compra de moldes e gesso foi feito em meio a crise econômica no país. Segundo Guilherme, a situação econômica o ajudou no crescimento da empresa, pois o produto é de baixo custo se comparado a outros tipos de materiais de revestimento, como porcelanato e pastilhas de vidro.

Uma das clientes do microempreendedor é Viviane de Araújo Bozele, que usou o acabamento na sala de casa. "Um amigo me apresentou o trabalho feito em gesso. Eu queria um revestimento diferente para minha casa, mas que não fosse tão caro. Quando vi o trabalho que o Guilherme faz, eu gostei muito e resolvi apostar", conta.

Uma das casas decoradas com o trabalho de Guilherme (Foto: Guilherme Moreira/Arquivo Pessoal)

Todo o investimento inicial foi recuperado em seis meses. Guilherme produzia as peças em seu próprio apartamento, produzindo cerca de 30 peças de gesso por dia. O aumento no número de pedidos obrigou o jovem a procurar um local maior para a fabricação e planeja aumentar o espaço.

"Lá no prédio as peças secavam na sombra, o que dificultava o processo. Minha avó tem essa casa que estava parada e me deixou usar o espaço para trabalhar. Antes eu recebia um pedido e só podia instalar as peças 15 ou 20 dias depois e hoje, com cinco dias as peças já estão prontas para serem aplicadas. Como aqui tem quintal, eu consigo colocar as peças para secarem no sol. Antes eu produzia 30 por dia, agora consigo fazer até 150 em um único dia. O próximo passo é montar um barracão, para poder trabalhar ainda mais e poder contratar", afirma Guilherme.

O jovem que começou a trabalhar como pintor aos 15 anos, conseguiu reconhecimento na área, mudou de ramo e abriu sua própria empresa hoje paga as mensalidades do curso de engenharia e pretende expandir o negócio para contratar pessoas para o ajudar. "Quando eu decidi mudar para a área de acabamento em gesso, as pessoas que eu conhecia me ajudaram muito, e hoje quero ajudar outras pessoas", conclui.

 

Ler 28 vezes

Atendimento ao Cliente:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Suporte ao Cliente:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Depto financeiro:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Publicidade & Propaganda: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Notícias

Vídeos

Guia Comercial

Nossa Empresa

Please publish modules in offcanvas position.