Ataque em Barcelona e suspeitos mortos em Cambrils: o que se sabe até agora

Quarta, 07 Dezembro 2016 15:47

Geólogo morto em queda de avião monomotor é enterrado em Manaus

- foi enterrado na manhã desta quinta-feira (8) no Cemitério São João Batista, na Zona Centro-Sul da capital. Amigos e familiares fizeram homenagens e relembraram o legado deixado pelo pesquisador.

João Frederico, conhecido como "Fred", foi velado na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM) na noite de quarta (7). Nesta manhã, um cortejo com cerca de 15 carros chegou ao cemitério por volta de 9h30. Durante a cerimônia, discursos relembraram a vida do geólogo, marcada pela militância em defesa do meio ambinte.

O professor Paulo Cunha, amigo de Fred Cruz, disse que o estado do Amazonas perde hoje um dos mais ilustres geólogos. "Extremamente atuante, ocupou inúmeros cargos importantes. Vai deixar seu nome marcado na história", disse.

O filho dele, Michel Cruz, diz que ainda está tentando filtrar a situação. "Preciso estender o braço aos meus familiares, principalmente meu avô que já é uma pessoa idosa. Minha missão é dar continuidade ao legado dele", contou emocionado.

O geólogo Luiz Claudio Rocha, de 57 anos, era amigo de Fred. Juntos, eles iniciaram uma amizade que iniciou nos tempos de escola e somou cerca de 40 anos, segundo ele. "Uma das pessoas mais cultas que eu já conheci e que mais conheciam a Amazônia. Com a morte dele, perde todo mundo. Os meus amigos sabem o quanto ele representava para mim", ponderou.

Geólogo recebeu homenagens de familiares e amigos (Foto: Isis Capistrano/G1 AM)

Uma das lideranças indígenas do Amazonas, o cacique Álvaro Tukano, também esteve presente no enterro. Eles atuaram juntos na militância indígena. "Esse homem tem sido um dos melhores amigos meus, principalmente dos indígenas do interior do Amazonas. Perder esse homem para mim nao tem palavras. Nossa luta vai continuar", completou.

Geólogo João Frederico Cruz ao lado do filho, que
carrega o mesmo nome (Foto: Arquivo Pessoal)

João Frederico foi uma das seis vítimas que morreram na queda de um avião em uma área de floresta do Bairro da União, na Zona Centro-Sul. Outra vítima, o piloto Jerônimo da Silva Neto, deve ser sepultada às 15h no Cemitério Recanto da Paz.

, de 7 anos, que foram veladas em uma funerária na Zona Sul da capital. Eles vão ser enterrados em Novo Aripuanã, onde residiam.

O corpo do paranaense Jefferson Juarez deve ser levado para Curitiba, onde será velado e sepultado. , com 99% do corpo queimado, mas não resistiu aos ferimentos.

Juarez estava em viagem de negócios para Novo Aripuanã com o sócio, o engenheiro florestal Henrique Tiez Neto, que também morreu na queda e foi velado na manhã desta quinta-feira (8). O sepultamento ocorrerá a partir das 15h30, no Cemitério Parque Manaus, na Zona Oeste.

Aeronave ficou destruída após explosão (Foto: Ive Rylo/G1 AM)

Acidente
A aeronave Embraer 721D, de matrícula PT-REI, caiu em uma área de floresta no Bairro da União, na Zona Centro-Sul. Houve explosão e cinco pessoas morreram no local do acidente ocorrido por volta de 8h. Um homem foi resgatado com vida e encaminhado a um hospital. Ele tem 99% do corpo queimado e não resistiu aos ferimentos. Ainda não se sabe as causas do acidente.

O tenente João Filho, do Corpo de Bombeiros, informou ao G1 que a aeronave decolou de Manaus com destino ao município de Novo Aripuanã por volta das 7h45.

Antônio Mendonça, representante do proprietário do avião, disse que a aeronave era usada para fins particulares. "Trata-se de uma aeronave particular que estava fazendo um voo do proprietário, com destino a Novo Aripuanã. As pessoas eram amigas do dono do avião. O dono está internado uma clínica em estado de choque devido o que aconteceu", afirmou.

Acidente aéreo ocorreu em área no Bairro da União (Foto: Ive Rylo/G1 AM)

Investigação
A Força Aérea Brasileira (FAB) informou que uma equipe de investigação do Sétimo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa VII) deu início aos trabalhos de investigação.

De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), A capacidade era para cinco passageiros, além do piloto. Ainda conforme a Agência, a empresa responsável pelo avião não tinha autorização para serviço de táxi aéreo. Uma investigação deve apurar se houve comercialização de voo.

Ler 27 vezes

Atendimento ao Cliente:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Suporte ao Cliente:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Depto financeiro:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Publicidade & Propaganda: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Notícias

Vídeos

Guia Comercial

Nossa Empresa

Please publish modules in offcanvas position.