Prefeito paraguaio vítima de atentado tem quadro de saúde irreversível

José Carlos Acevedo tem estado de saúde irreversível Reprodução/Record TV O prefeito de Pedro Juan Caballero, José Carlos Acevedo, estava em estado crítico nesta quarta-feira (18), um dia após ter sido baleado, informaram fontes médicas. Segundo a equipe do hospital privado na qual o político foi atendido, o quadro do chefe do município é "irreversível". Ronald Acevedo, governador do departamento paraguaio de Amambay, do qual Caballero é capital, disse que seu irmão foi interceptado por três homens armados quando deixava a sede da prefeitura. "O presidente Mario Abdo Benítez é o único responsável por tudo o que está acontecendo na cidade", acusou. O governador perdeu a filha de 21 anos em um atentado ocorrido em outubro de 2021, no qual três pessoas morreram na saída de uma boate. Seu outro irmão, Roberto Acevedo, ex-presidente do Congresso paraguaio, escapou de um ataque em 2010, no qual morreram dois seguranças. Segundo estatísticas policiais, na fronteira seca, no raio de Caballero e Ponta Porã, no Brasil, são registrados cerca de 150 assassinatos por ano relacionados ao crime organizado. Leia também Polícia oferece R$ 2 mi por informações dos assassinos de promotor paraguaio Carro que teria sido usado em ataque contra prefeito é encontrado em chamas Autoridades investigam se promotor paraguaio foi seguido até a Colômbia Indagado sobre qual teria sido o motivo do ataque, o governador respondeu: "É porque fazemos bem o nosso trabalho, como aconteceu com o promotor Marcelo Pecci", referindo-se ao funcionário do Ministério Público assassinado na semana passada na Colômbia.  

Prefeito paraguaio vítima de atentado tem quadro de saúde irreversível
José Carlos Acevedo tem estado de saúde irreversível
José Carlos Acevedo tem estado de saúde irreversível Reprodução/Record TV

O prefeito de Pedro Juan Caballero, José Carlos Acevedo, estava em estado crítico nesta quarta-feira (18), um dia após ter sido baleado, informaram fontes médicas. Segundo a equipe do hospital privado na qual o político foi atendido, o quadro do chefe do município é "irreversível".

Ronald Acevedo, governador do departamento paraguaio de Amambay, do qual Caballero é capital, disse que seu irmão foi interceptado por três homens armados quando deixava a sede da prefeitura. "O presidente Mario Abdo Benítez é o único responsável por tudo o que está acontecendo na cidade", acusou.

O governador perdeu a filha de 21 anos em um atentado ocorrido em outubro de 2021, no qual três pessoas morreram na saída de uma boate. Seu outro irmão, Roberto Acevedo, ex-presidente do Congresso paraguaio, escapou de um ataque em 2010, no qual morreram dois seguranças.

Segundo estatísticas policiais, na fronteira seca, no raio de Caballero e Ponta Porã, no Brasil, são registrados cerca de 150 assassinatos por ano relacionados ao crime organizado.

Indagado sobre qual teria sido o motivo do ataque, o governador respondeu: "É porque fazemos bem o nosso trabalho, como aconteceu com o promotor Marcelo Pecci", referindo-se ao funcionário do Ministério Público assassinado na semana passada na Colômbia.